CMVM proíbe short-selling depois de tombo de 11% do BCP

A decisão da CMVM foi comunicada depois de o BCP ter encerrado a sessão de hoje a cair mais de 11%.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) vai proibir vendas a descoberto (short-selling) das ações do BCP, durante a sessão de sexta-feira. A decisão surge depois de as ações do banco terem derrapado 11,37% esta quinta-feira e o objetivo do regulador do mercado é impedir que os investidores apostem em desvalorizações.

“A CMVM decide a proibição das vendas a descoberto das ações representativas do capital social do Banco Comercial Português (…), com efeitos a partir das 00h00m de 20 de janeiro de 2017, até às 23h59m do mesmo dia”, comunicou o regulador do mercado.

A decisão da CMVM surge no dia em que arrancou o aumento de capital do BCP, que ficou marcado pela forte desvalorização dos direitos que dão acesso a 15 títulos do banco. Os direitos chegaram ao mercado com um valor teórico de 1,005 euros, mas acabaram por afundar mais de 40%, acabou por fechar nos 64 cêntimos.

A CMVM justifica a decisão com as regras europeias, que preveem o “poder de restringir temporariamente a venda a descoberto de instrumentos financeiros em caso de diminuição significativa do respetivo preço”.

O limiar para o exercício desse poder, acrescenta a CMVM, “corresponde a uma diminuição de 10% ou mais no preço das ações em causa, em relação ao preço de fecho do dia de negociação imediatamente anterior”. As ações do BCP caíram 11,37%, para 14,27 cêntimos, ultrapassando assim o limiar definido.

Notícia atualizada pela última vez às 20h16.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM proíbe short-selling depois de tombo de 11% do BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião