Os encontros paralelos que Davos proporciona

Sabia que António Guterres esteve com Martin Schulz? E que António Costa esteve com o mayor de Londres, também com origens indianas? Estes são dois exemplos de encontros paralelos em Davos.

É a nata da nata: as pessoas mais importantes do mundo estão no Fórum Económico Mundial. Em Davos, os encontros à margem das palestras ou debates são frequentes. António Costa aproveitou a presença de Christine Lagarde para reforçar a credibilidade internacional da sua estratégia governativa. Mas há mais exemplos que vão do português Carlos Moedas ao britânico Jamie Oliver.

Lagarde terá dado elogios não só à consolidação orçamental, mas também “à criação de emprego, crescimento económico e estabilização do sistema financeiro”. Não se sabe os pormenores da conversa, apenas a versão do primeiro-ministro português, mas a mensagem foi de “congratulações”.

Antes disso, Costa já se tinha encontrado com o presidente do Fórum Económico Mundial e o presidente do Banco Europeu de Investimento. Esta quinta-feira de noite, o primeiro-ministro jantou com o comissário europeu Carlos Moedas, o cofundador da Uniplaces, Miguel Santo Amaro, e o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral. E ainda conseguiu um pequeno encontro com o mayor de Londres, Sadiq Kahn.

O próprio Moedas tem sido ativo a mostrar nas redes sociais os vários encontros que já teve, nomeadamente com Bill Gates, o ministro suíço da Economia, Satya Nadella (CEO da Microsoft) e muitos outros.

Martin Schulz, o presidente do Parlamento Europeu, foi outro dos protagonistas tendo-se reunido com António Guterres, Sadiq Kahn e Phillip Hammond. Também o comissário europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, encontrou-se com Michel Sapin, o atual ministro francês da Economia e Finanças. E o vice-presidente da Comissão Europeia, Vladis Dombrovkis, reuniu com o Presidente da Ucrânia.

Mas há mais ainda: Shakira, Jamie Oliver, Federica Mogherini, Cristina Fonseca (Talkdesk) também partilharam esses momentos nas redes sociais.

cristina

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os encontros paralelos que Davos proporciona

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião