Caldeira Cabral em Davos: dívida vai baixar

Caldeira Cabral já está em Davos, na Suíça. O ministro da Economia falou com a Bloomberg sobre o nível da dívida portuguesa, o Brexit e a União Europeia.

O ministro da Economia garantiu que a dívida portuguesa está a descer e o Governo quer que esse trajeto continue. Em entrevista à Bloomberg, à margem do encontro de Davos, esta quarta-feira, Caldeira Cabral deu essa garantia com base nos números de outubro e novembro, dois meses em que a dívida pública desceu com os pagamentos antecipados ao FMI. Contudo, é de referir que setembro foi um mês de máximo histórico, tendo a dívida soberana chegado aos 133,1% do PIB.

Além da dívida, Caldeira Cabral falou sobre a saída do Reino Unido da União Europeia: “Estamos a olhar com expectativa para o Brexit, assim como toda a gente na Europa”. “Continuaremos a trabalhar juntamente com o Reino Unido”, garantiu o ministro da Economia, assinalando que o processo traz instabilidade à União Europeia e ao mundo.

“O movimento livre de bens tem de estar ligado ao movimento livre de pessoas. As quatro liberdades do mercado único têm de ser garantidas uma vez que fazem parte de um todo e não de algo que possa ser separado”, defendeu Manuel Caldeira Cabral. A posição do português contrasta com o que foi anunciado por Theresa May esta terça-feira: a opção é o hard Brexit, ou seja, quer sair do mercado único mas quer também um acordo alargado com os parceiros europeus.

Nesta ida a Davos, Manuel Caldeira Cabral tem na agenda várias reuniões previstas com empresários e empresas. Mas também vai ter encontros com ministros da Economia de vários países, como é o caso do Canadá, Argentina e Arábia Saudita.

Não está, no entanto, prevista nenhuma reunião relacionada com o possível investimento da Tesla em Portugal, confirmou o Ministério da Economia ao ECO. As prioridades do governante português vão ser demonstrar que a economia está bem colocada para receber qualquer tipo de investimento.

Editado por Paulo Moutinho

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caldeira Cabral em Davos: dívida vai baixar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião