Samsung: foi por isto que as baterias arderam

  • Ana Luísa Alves e Lusa
  • 23 Janeiro 2017

O escândalo que no ano passado manchou a marca de telemóveis sul-coreana já tem uma explicação: o problema esteve sempre nas baterias, e foi explicado esta segunda-feira pela empresa.

Depois de tanta especulação chegou a explicação. A razão pela qual as baterias do Samsung arderam foi uma: defeitos nas baterias. A Samsung Electronics explicou esta segunda-feira quais os motivos pelos quais teve de deixar de produzir os Galaxy Note 7.

Numa apresentação e conferência de imprensa esta segunda-feira, a Samsung revelou os resultados de uma investigação feita aos telemóveis Galaxy Note 7, cujas baterias começaram a arder, segundo apontam algumas queixas registadas no ano passado. A empresa apesar de justificar os problemas com algumas falhas nas baterias, assumiu toda a responsabilidade legal sobre o que aconteceu.

Investigações internas e independentes “concluíram que as baterias foram a causa dos incidentes com o Note 7”, disse a empresa sul-coreana em comunicado.

O responsável da divisão de telemóveis, Koh Dong-jin explicou que a publicação do relatório foi motivada pela necessidade de a empresa “recuperar a confiança” dos consumidores depois da perda de cerca de 6,1 biliões de won (cerca de 4.863 milhões de euros), e de o escândalo ter chegado também às máquinas de lavar a roupa e aos modelos Galaxy Note J5.

O estudo aponta que algumas das baterias de lítio estudadas tinham curtos-circuitos internos. Em entrevista à Bloomberg, Koh Dong-jin acrescentou ainda que as baterias eram, por vezes, maiores do que o espaço que lhes estava reservado. “Foi a bateria, não o design ou o software do telemóvel. Portanto, nos restantes modelos de telemóveis da marca as dúvidas vão desaparecer”, referiu, à Bloomberg, Greg Roh, analista do banco HMC Investment Securities Co.

A bateria fabricada inicialmente para estes telemóveis foi produzida por uma filial, a Samsung SDI. As reposições feitas depois das queixas apresentadas, que eram provenientes da Amperex Techonology, também apresentavam alguns defeitos. A solução foi parar por completo a produção deste modelo.

“Assumimos toda a responsabilidade e vamos certificar-nos de que isto não volta a acontecer”, referiu Koh. Assumir a responsabilidade implica que é a empresa sul-coreana que vai assumir todos os custos deste incidente, e não as filias que produziram as respetivas baterias.

A investigação foi realizada durante um mês pela própria empresa tecnológica sul-coreana e outras três organizações: as empresas norte-americanas UL e Exponent e a empresa alemã de inspeção técnica e certificação TÜV Rheinland. Koh explicou que cerca de 700.000 investigadores e engenheiros recriaram processos de carga e descarga com cerca de 200.000 dispositivos e cerca de 30.000 baterias de lítio para detetar e analisar os defeitos.

Este incidente acabou por não afetar os investidores. As ações da Samsung, que têm estado a negociar perto dos valores mais altos de sempre, mantiveram-se pouco alteradas esta segunda-feira depois das declarações e das investigações apresentadas. Negoceiam nos 1.903,000 won, com uma valorização de 2,31%.

O grande desafio agora, segundo o analista consultado pela Bloomberg, é fazer com que não existam nenhuns problemas com o modelo Galaxy S8, porque “os consumidores não iriam perdoar”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Samsung: foi por isto que as baterias arderam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião