Trump congela plano ambiental que protege americanos da poluição

  • Ana Luísa Alves
  • 25 Janeiro 2017

Foram congelados os contratos de proteção ambiental da agência EPA, a pedido da administração do presidente norte-americano. Mas este congelamento é para sempre? Há mais questões por responder.

A Environmental Protection Agency (EPA) congelou todos os contratos, a pedido da administração de Trump, e impediu os seus empregados de falar sobre o assunto em público ou para a imprensa. A notícia foi avançada pela ProPublica, que se dedica ao jornalismo de investigação, e publicada também pelo Huffington Post e pela Business Insider, que alegam ter recebido informação da EPA que chegou de forma anónima.

A principal função da EPA é proteger os americanos de gases poluentes, presentes no solo, ar e água. Grande parte desse trabalho acontece através de empresas privadas contratadas para o efeito pela EPA, como as entidades que verificam a qualidade dos solos e da água.

A Business Insider tentou contactar a agência norte-americana para confirmar a veracidade da informação, bem como para confirmar um relato de que o presidente Donald Trump tinha impedido a agência de financiar a sua própria ciência mas, até ao momento, ainda não obteve resposta.

Há perguntas que ainda estão por responder: o congelamento destes contratos atinge os 6,4 mil milhões de dólares em contratos ativos que a EPA tem neste momento a decorrer? Este congelamento é temporário ou definitivo? Os projetos feitos pela EPA, daqui para a frente, sofrerão alguma alteração? Mas a administração do mais recente presidente eleito ainda não deu qualquer resposta.

Tal como a Business Insider já tinha noticiado, este tipo de agências fornece informação relevante para cientistas e para quem trabalhe com assuntos relacionados com as alterações climáticas. Mas, segundo avança o site norte-americano, a presidência de Trump é pouco sensível a estes temas, e tem agido com alguma hostilidade para com a EPA.

“Eles estão a tentar congelar contratos para terem a certeza de que nada acontece se eles não quiserem que aconteça. Portanto querem garantir que quaisquer regulações ou contratos estabelecidos daqui para a frente, serão olhados primeiro por eles.

No Huffington Post é ainda possível ler que a administração de Trump deu instruções à EPA para que apagasse a página web relativa ao clima, segundo dois empregados referiram à Reuters, para acabar com as iniciativas levadas a cabo pelo presidente norte-americano anterior, Barack Obama. A página web em questão contém informação com pesquisa e dados acerca do aquecimento global, bem como detalhes sobre as emissões de gases poluentes para a atmosfera. Ainda assim, “desapareceu” da web esta quarta-feira de manhã.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump congela plano ambiental que protege americanos da poluição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião