Vieira da Silva: Decisão do PSD será “colossal tiro no pé”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 25 Janeiro 2017

Ministro Vieira da Silva critica o PSD e garante que o acordo de concertação social foi aceite "sem chantagens".

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social afirmou hoje que a decisão anunciada pelo PSD, de chumbar a baixa da TSU para empresas com salários mínimos, não representa um “murro na mesa” mas acredita que será “um colossal tiro no pé”.

Para Vieira da Silva, há quem tenha identificado estas “piruetas políticas” como um “murro na mesa do marasmo da oposição” mas, o que está em causa, é um “ataque” à concertação social e uma “penalização de dezenas de milhares de empresas e instituições”.

Vieira da Silva falava no debate parlamentar que incide sobre o decreto-lei que reduz as contribuições das empresas com salários mínimos, decidida em concertação social como contrapartida ao aumento desta remuneração para 557 euros, já em vigor.

O ministro do Trabalho criticou a posição do PSD, e instou o partido a dizer o que pensa verdadeiramente sobre o aumento do salário mínimo.

Numa carta dirigida a algumas associações patronais, o PSD acusou o Governo de chantagear os parceiros sociais, mas Vieira da Silva garantiu hoje que o acordo de concertação social foi aceite “sem chantagens”. E voltou a salientar que a medida foi negociada num contexto de aumento “extraordinário” (de 27 euros) do salário mínimo, que não deixa de ser um esforço “exigente” para as empresas, sobretudo as de menor dimensão. E é sobretudo para estas que se dirige, salientou de novo.

De acordo com Vieira da Silva, as instituições sociais não estão afastadas do apoio, aludindo assim a uma afirmação de Marco António Costa que, em dezembro, defendia que a redução das contribuições também devia chegar às IPSS. O governante indicou que 2.827 instituições sociais já beneficiaram deste apoio.

Para o ministro, o acordo de concertação social alcançado “é um bom acordo para o país” e é equilibrado. O ministro criticou aqueles que preferem o “triunfo da tática sobre a substância” mas diz que se percebe para quem está “atolado num lodaçal de contradições”. Fica demonstrado “que o PSD de hoje não tem a mesma posição que o PSD de ontem”, vincou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vieira da Silva: Decisão do PSD será “colossal tiro no pé”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião