Galo de Barcelos na ‘crista’ do Ano Novo chinês

Depois de anos a cantar como ‘souvenir’ de Macau, o galo de Barcelos figura na ‘crista’ das celebrações do Ano Novo Chinês, servindo de inspiração a formas e cores do animal do zodíaco.

Este é o ano do galo, na China. Uma oportunidade para o tradicional galo de Barcelos saltar das montras de ‘souvenirs’ em Macau e inspirar as celebrações que só voltarão à cena dentro de 12 anos.

O galo de Barcelos surge há anos em diferentes montras espalhadas pela cidade, principalmente de lojas de recordações – sob a forma de miniaturas, porta-chaves e mealheiros, ou pintado em t-shirts ou aventais – como um ‘souvenir’ de Macau, por razões que o próprio universo do turismo parece desconhecer.

Perto da rua cheia de gente que leva às Ruínas de São Paulo nem turistas nem vendedores sabem explicar realmente por que razão o galo de Barcelos figura como um símbolo de Macau, território que deixou de ser um enclave português em 1999.

galo

Em três lojas de lembranças diferentes, perto do ‘ex-libris’ da cidade, abundam galos de Barcelos de diferentes cores e tamanhos – uns com a inscrição “Portugal”, outros com a palavra “Macau” e outros sem qualquer indicação relativa à origem.

Os vendedores garantem que “vende bem” – ainda por cima nesta altura – e os curiosos em torno das imagens comprovam-no.

Uma turista da China demonstra interesse num íman com o galo de Barcelos “porque é bonito”, ainda que não tenha a certeza tratar-se de um “símbolo” de Macau – a vendedora garante que sim, aos muitos que lhe perguntam, mas liga a imagem à influência da “cultura portuguesa”.

Não muito longe, na popular pastelaria Choi Heong Yuen, sobressaem cartazes e bandeirolas com um colorido galo de Barcelos ao centro, com as patas sobre um ‘yuan bao’ – uma barra de ouro em forma de barco que serviu, durante um longo período de tempo, como moeda na China.

A imagem surge com desejos de bom ano aos clientes, com o comércio a usar o galo de Barcelos como ‘chamativo’ durante os dias que antecedem a subida do galo ao poleiro do Ano Novo chinês.

Tanto Fernando Sales Lopes como Rui Rocha – dois portugueses interessados pela cultura e tradições chinesas radicados em Macau há mais de 30 anos – definem o fenómeno como “relativamente recente”, surgido curiosamente após a transferência do exercício de soberania.

“Não sei precisar o momento em que aparece como símbolo de Macau, mas era algo que não existia. Penso que começou depois da transferência – não me recordo de ver o galo de Barcelos à venda antes”, observa Rui Rocha, notando ser “interessantíssimo” que seja “quase como um ícone de Macau, onde pegou muito bem, de uma forma curiosa, quando em Portugal até se brinca de uma forma jocosa com ele”.

Para Sales Lopes, o uso do galo de Barcelos como um símbolo pode ser comparado à adoção do pastel de nata, por oferecer uma imagem que pretende “marcar a diferença” de Macau relativamente à grande China.

Depois da transferência surgiram símbolos que se atribuem a Portugal – desde o galo de Barcelos, aos azulejos, aos bordados ou à cortiça –, “mais do que aqueles que existiam antes”, pelo que o investigador e jornalista Sales Lopes arrisca falar num “fenómeno identitário”.

Já o professor universitário considera que “apesar de reconhecerem que é capaz de não ser chinês, os chineses identificam, por outro lado, que o galo é um signo extremamente positivo e benfazejo na sua cultura, portanto, fazem um certo sincretismo cultural, juntando o útil ao agradável”.

Nem só de ‘souvenirs’ vive o galo de Barcelos em Macau

A título de exemplo, empresta a sua forma e cores garridas a um óleo da medicina tradicional chinesa para curar dores da coluna, encontrado à venda numa farmácia popular local.

O galo surge também na edição especial do clássico jogo “Monopólio”, de 2015, como um dos oito ‘tokens’, lado a lado com as Ruínas de São Paulo, um pastel de nata, ou um carro de corrida que simboliza o Grande Prémio de Macau.

Com os preparativos para dar as boas-vindas ao Ano Lunar do Galo – que vai reinar por 12 meses a partir do próximo sábado –, a imagem do de Barcelos ganhou um novo ímpeto.

Foi nele que Wilson Lam se inspirou quando fez o ‘design’ da emissão filatélica especial do Ano Novo Lunar, a qual ilustra o galo de Barcelos, “um ícone português bem conhecido e integrado na cultura de Macau”, como descrevem os Correios.

Wilson Lam explica à Lusa que recorreu ao galo de Barcelos por “simbolizar a harmonia entre as culturas” portuguesa e chinesa, embora reconheça que, aos olhos da maioria dos turistas, o galo de Barcelos poderá ser percecionado como um símbolo exclusivo de Macau – e não de Portugal –, o que também sucede, aliás, com o pastel de nata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galo de Barcelos na ‘crista’ do Ano Novo chinês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião