Angela Merkel considera injustificadas restrições à imigração nos EUA

  • Lusa
  • 29 Janeiro 2017

A chaceler alemã considera injustificadas as restrições dos EUA à imigração com origem em sete países mulçumanos decidida por Trump, diz fonte oficial.

A Chanceler alemã, Angela Merkel, considera injustificadas as restrições dos EUA à imigração com origem em sete países muçulmanos, decididas pelo presidente Donald Trump, afirmou hoje o porta-voz da líder alemã, Steffen Seibert.

“Ela está convencida de que, mesmo no quadro da luta indispensável contra o terrorismo, não é justificável colocar pessoas sob uma suspeita generalizada em função das suas origens ou crenças”, disse o porta-voz, num comunicado citado pela agência de notícias alemã DPA.

“A Chanceler lamenta a proibição de entrada [nos EUA], imposta pelo governo norte-americano contra refugiados e cidadãos de determinados países”, acrescentou Steffen Seibert.

O governo alemão “vai agora examinar as consequências” desta interdição para os cidadãos alemães que tenham dupla nacionalidade e que são atingidos pelas medidas norte-americanas, precisou.

O desacordo alemão acontece na manhã seguinte a uma reunião telefónica entre Donald Trump e Angela Merkel. Os comunicados de imprensa emitidos no final desta reunião, quer nos EUA quer na Alemanha, não fazem qualquer menção às novas restrições à imigração em solo norte-americano.

“A Convenção de Genebra sobre os refugiados apela à comunidade internacional que acolha as pessoas a fugir da guerra de uma forma humanitária” e “a Chanceler apresentou [este] argumento” durante o seu encontro telefónico com Donald Trump, precisou o porta-voz.

O decreto norte-americano sobre a “proteção da nação contra a entrada de terroristas estrangeiros nos EUA”, que entrou em vigor na sexta-feira, proíbe durante 90 dias a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de sete países considerados de risco por Washington: o Iraque, o Irão, o Iémen, a Líbia, o Sudão e a Somália.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angela Merkel considera injustificadas restrições à imigração nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião