Lone Star quer manter António Ramalho à frente do Novo Banco

  • ECO
  • 31 Janeiro 2017

O fundo de investimento norte-americano está ainda disposto a deixar entrar investidores portugueses na operação de compra do Novo Banco.

O Lone Star, fundo de investimento norte-americano escolhido pelo Banco de Portugal como o principal candidato à compra do Novo Banco, fez saber que, caso consiga concretizar a compra, pretende manter António Ramalho como presidente da comissão executiva do banco. A notícia é avançada pelo Público (acesso condicionado), na edição desta terça-feira.

Segundo o Público, este é um dos compromissos que o fundo norte-americano já assumiu com o Banco de Portugal e com o Governo. Além deste, o Lone Star concorda em manter a integridade do Novo Banco (isto é, em não retalhá-lo) e está disposto a deixar entrar investidores portugueses na operação de compra.

Esta possibilidade é deixada em aberto numa altura em que surgem mais interessados na compra do banco que resultou da resolução do Banco Espírito Santo (BES). Na segunda-feira, o Jornal de Negócios avançou que a Aethel Limited, empresa criada no início de dezembro pelo gestor português Ricardo Santos Silva, manifestou o interesse pelo Novo Banco junto da equipa de Sérgio Monteiro.

Já no fim de semana, o Expresso tinha noticiado que o Lone Star tem sido contactado por alguns dos maiores grupos empresariais portugueses, que querem integrar a proposta de compra pelo Novo Banco. O semanário refere que já decorrem reuniões de trabalho entre estes grupos e o fundo norte-americano.

Ainda em aberto está a possibilidade de o Lone Star deixar cair a exigência de uma garantia estatal. Contudo, escreve o Público, para aceitar comprar o Novo Banco sem esta garantia — que protege o fundo de uma possível desvalorização da carteira de ativos problemáticos do banco –, o Lone Star terá de encontrar outra solução que convença o comité de investimento de que o Novo Banco é um investimento seguro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lone Star quer manter António Ramalho à frente do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião