Modelos XXL engordam lucros das retalhistas

"Os teus pneus são bonitos", diz uma recente campanha de um grupo de modelos de diversos tamanhos. As retalhistas concordam. Afinal, estão a lucrar com a aposta na diversidade.

A indústria da moda está para as curvas. E as grandes retalhistas estão cada vez mais cientes do poder que os tamanhos XXL podem ter na conquista de novos clientes no mercado altamente competitivo da roupa e acessórios. E nos seus resultados também.

A Aerie, uma marca de roupa interior dirigida aos millennials, é um desses exemplos. Desde que começou a usar modelos não retocados como Iskra Lawrence, as vendas dispararam: cresceram 20% em 2016 e 21% no terceiro trimestre de 2016.

É esta a marca que surge numa recente campanha promocional do movimento All Woman Project, onde aparece um grupo diversificado de modelos de diferentes tamanhos e formas com uma mensagem simples: “Os teus pneus são bonitos” ou em inglês “Your fat rolls are beautiful“, como escreveu Iskra Lawrence, uma das modelos da campanha, num post no seu Instagram.

“Pensamos que marcas como a Aerie são a mostra de que há lucro na diversidade”, frisou Charli Howard, uma das fundadoras do projeto, à revista Vogue. “As mulheres querem ver as suas formas e cores representadas e as marcas estão a começar a ver quão lucrativas elas podem ser”, acrescentou.

Os analistas não podem concordar mais. Morry Brown, um analista da Wedbush Securities, adianta que a utilização de modelos cujos tamanhos fogem à regra da indústria estão a dar um forte impulso às vendas de um série de marcas. “Os clientes querem uma visão mais democrática”, referiu Brown. “Há uma oportunidade para chegar aos clientes que não estão tão bem servidos em vez de um marketing baseado numa imagem idealizada”.

Além da Aeria, uma marca detida pela American Eagel Outfitters, também a H&M, que fez campanha com Ashley Graham, a mais conhecida modelo plus-size norte-americana, viu as vendas crescerem 7% na primeira metade do ano.

No sentido contrário, os retalhistas cuja imagem estão mais associadas a modelos de Photoshop vivem tempos de maiores dificuldades. A Abercrombie & Fitch despediu 150 funcionários no passado dia 25 de janeiro e os últimas contas revelaram uma queda de 70% dos lucros operacionais. A American Apparel foi pela segunda vez à falência em novembro e foi forçada a vender os seus ativos para fazer face às dívidas que tinha.

Iskra Lawrence, cara da Aerie, está “mais feliz do que nunca”, conforme demonstrou numa entrevista. “Quando vi a minha primeira campanha com eles e pude reparar que o meu corpo não foi retocado — fotografias com pneus –, não vou mentir, fiquei em choque”. “Mas isso rapidamente se transformou em alegria porque me fez sentir bem. Sei que estes “defeitos” não significam que não sou bonita”, salientou.

Ainda assim, Lawrence continua a receber alguns comentários negativos nas suas redes, comentários que ela faz questão de apagar e reportar. “Somos todos bons o suficiente e o que é bonito é que somos imperfeitamente perfeitos e todos diferentes”. As retalhistas concordam.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Modelos XXL engordam lucros das retalhistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião