BCE: Novo travão nas compras de dívida portuguesa

Banco Central Europeu (BCE) voltou a travar a fundo na compra de dívida portuguesa no início do ano, uma evolução que sugere que está a ficar sem obrigações nacionais no mercado.

O Banco Central Europeu (BCE) voltou a diminuir o ritmo de compra de obrigações portuguesas em janeiro, reforçando a ideia de que está a ficar sem títulos nacionais disponíveis para compra no âmbito do seu plano de aquisição de dívida dos governos da zona euro.

A entidade liderada por Mario Draghi comprou “apenas” 688 milhões de euros em Obrigações do Tesouro de Portugal no mês passado, abaixo dos 725 milhões que havia comprado em dezembro e ainda mais aquém dos 1.000 milhões com que havia comprado mensalmente nos meses anteriores. No total, o BCE detinha 25,3 mil milhões de euros em dívida portuguesa a 31 de janeiro de 2017.

O BCE decidiu em dezembro estender este programa até final de 2017, prevendo baixar o ritmo de aquisições dos 80 mil milhões de euros por mês para os 60 mil milhões de euros mensais a partir de abril. Ainda assim, o Conselho de Governadores manteve o limite de compras por emitente/emissão nos 33%, uma decisão que acabou por penalizar sobretudo Portugal, que tem menos obrigações elegíveis para o programa do BCE.

A escassez de títulos disponíveis já tinha sido sinalizada pelo mercado, refletindo esse cenário de ausência do BCE na subida dos juros da dívida portuguesa. A yield implícita nas obrigações a 10 anos atingiu esta segunda-feira o nível mais elevado desde março de 2014.

(Notícia em atualizada às 15h54)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE: Novo travão nas compras de dívida portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião