Marcelo: Redução do défice é “obra deste Governo”

  • Lusa
  • 7 Fevereiro 2017

O Presidente da República reconheceu o mérito do anterior executivo PSD/CDS-PP na diminuição do défice, mas considerou que a redução "é em larga medida obra deste Governo".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reconheceu hoje o mérito do anterior Executivo PSD/CDS-PP na diminuição do défice, mas considerou que a redução “é em larga medida obra deste Governo”, que tem seguido a trajetória correta.

À saída da cerimónia de entrega das medalhas de honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado pelos jornalistas sobre os sinais de alerta que têm surgido nos últimos dias para a economia portuguesa, tendo recordado que quando assumiu funções há um ano muitos diziam que era “rigorosamente e matematicamente impossível” ter um défice em 2016 inferior a 3%.

“E hoje os mesmos dizem: o défice vai ser menos de 3%. Como dizia a OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico] ontem [segunda-feira] é uma grandiosa realização, o que mostra bem que não se esperava que fosse apontar-se agora para números como 2,3%, que são números impensáveis há um ano e impensáveis há dois, três, quatro, cinco anos no nosso país”, disse.

Um reiterar das afirmações do Chefe de Estado na sua primeira grande entrevista após um ano de mandato.

Para o Presidente da República, “isso é obra, há que reconhecer, do Governo anterior, mas é em larga medida obra deste Governo”.

Marcelo Rebelo de Sousa foi ainda questionado sobre a preocupação da agência de notação financeira Moddy´s com a existência em Portugal de “um Governo minoritário que depende de partidos de esquerda que fazem pressão para uma política orçamental mais expansionista”.

Era um risco, como sabemos, que existiu desde a primeira hora. O que tem sido positivo é que, apesar desse risco de divergência de posições, ter havido uma trajetória – como eu disse ontem [segunda-feira] – correta. É preciso fazer mais e melhor, mas a trajetória seguida tem sido correta.

Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República

“Era um risco, como sabemos, que existiu desde a primeira hora. O que tem sido positivo é que, apesar desse risco de divergência de posições, ter havido uma trajetória – como eu disse ontem [segunda-feira] – correta. É preciso fazer mais e melhor, mas a trajetória seguida tem sido correta”, defendeu.

O Chefe de Estado deu os exemplos positivos da “consolidação orçamental, diminuição do défice e cumprimento dos compromissos europeus”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo: Redução do défice é “obra deste Governo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião