PS quer limitar venda de produtos nos bancos

  • ECO
  • 7 Fevereiro 2017

Os socialistas vão hoje apresentar várias propostas para o setor bancário. Alterações que visam a relação entre os bancos e os clientes e a diminuição dos poderes do Banco de Portugal.

O PS vai apresentar várias propostas que visam apertar as regras para o setor bancário. Os socialistas querem limitar a venda de produtos complexos dos bancos a outras empresas do grupo e a particulares pouco informados. Objetivo? Evitar que casos como o do BES ou do Banif voltem a acontecer.

O jornal Público (acesso condicionado) avança que os socialistas vão apresentar hoje diversas propostas para alterar as regras do setor financeiro. As mudanças estão relacionadas com a relação entre os bancos e os clientes, os poderes do Banco de Portugal e com o reforço do escrutínio de decisões tomadas pelas entidades europeias.

Ao jornal, o deputado socialista Eurico Brilhante Dias diz que estas alterações visam “melhorar o relacionamento do setor bancário com os clientes, eliminando práticas agressivas, como aquelas que levaram à existência dos lesados”. Há duas propostas: a principal pretende limitar a venda de produtos qualificados ou complexos, que têm um risco elevado, a clientes particulares com perfil conservador ou que não estejam suficientemente informados sobre estes produtos bancários.

A segunda proposta quer impedir que um banco venda produtos de empresas do setor não financeiro do grupo em que esteja inserido. O Público relembra que, caso estas regras já existissem, o Banco Espírito Santo não poderia ter vendido produtos de empresas não financeiras do Grupo Espírito Santo nos balcões do banco.

PS quer diminuir poderes do Banco de Portugal

Para além das propostas para limitar a venda de produtos financeiros complexos, os socialistas voltam, segundo o Público, a pôr em cima da mesa uma questão que já tinha sido levantada. O PS quer que o Banco de Portugal (BdP) deixe de ser supervisor e entidade de resolução simultaneamente.

Atualmente, o banco central supervisiona a atividade bancária. Mas, ao mesmo tempo, é a autoridade de resolução. Ou seja, toma decisões sobre a intervenção num banco ao abrigo da Lei da Resolução. O PS defende a separação de poderes e a criação de uma entidade de resolução autónoma do BdP. “Pode seguir o exemplo europeu”, em que há uma separação entre os poderes do Banco Central Europeu e da Comissão Europeia, refere o deputado Eurico Brilhante Dias.

O PS quer ainda que haja mais escrutínio das decisões das instituições europeias no Parlamento. “Queremos melhorar o escrutínio político das decisões. Muitas vezes, as decisões europeias não são escrutinadas”, refere o deputado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS quer limitar venda de produtos nos bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião