Alerta europeu e “risco financeiro” suspenderam apostas no Placard

  • ECO e Lusa
  • 8 Fevereiro 2017

As apostas no Feirense-Rio Ave foram suspensas na segunda-feira devido a um alerta europeu por suspeitas de irregularidades com esta partida da primeira liga de futebol. Regulador nacional investiga.

Na segunda-feira, a casa de apostas Placard, explorada pela Santa Casa da Misericórdia, suspendeu a atividade relacionada com o jogo da primeira liga Feirense – Rio Ave. Agora, surgem desenvolvimentos: foram os reguladores europeus que alertaram o Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ) para “suspeitas de irregularidades”, indica o jornal Público (acesso condicionado). Na altura, a suspensão das apostas nesta partida em concreto estendeu-se à Betclic e à Bet.pt.

Ao que o ECO apurou, em causa terá estado, entre outros, um movimento suspeito: uma alegada aposta de 100 mil euros submetida por um apostador de nacionalidade chinesa. Já o Público fala de “um conjunto de apostas no valor global de 50 mil euros por parte e um apostador que terá utilizado o mesmo número de identificação fiscal, enquanto o Jornal de Notícias aponta para apostas num total de meio milhão de euros.

Além dos alertas do SRIJ, o Departamento de Jogos da Santa Casa ter-se-á decidido pela suspensão por haver risco financeiro — isto é, quando há risco de os prémios a pagar superarem os montantes totais apostados, uma cláusula prevista no regulamento do Placard, refere o jornal (acesso condicionado).

Regulador averigua suspeitas “em detalhe”

Agora, o SRIJ “está a averiguar em detalhe” as apostas no Placard relativas ao jogo da primeira liga, disputado na segunda-feira, em que a equipa de Santa Maria da Feira venceu por 2-1. “O SRIJ está agora a averiguar em detalhe o ocorrido nas apostas efetuadas naquele jogo, tendo inclusive estabelecido contactos com outros reguladores europeus que também alertaram para esta situação”, explica aquele organismo, em resposta escrita enviada à Lusa.

O regulador afirma que agiu assim que tomou conhecimento das suspeitas: “O SRIJ informa que ontem [segunda-feira], tendo tomado conhecimento de suspeitas de irregularidades sobre as apostas desportivas sobre o jogo entre o Feirense e o Rio Ave, previamente à realização do jogo, notificou as entidades exploradoras para retirarem esta competição das respetivas listas de eventos sujeitos a aposta”, revela o regulador nacional. E acrescenta que esta decisão “foi igualmente transmitida à Liga Portuguesa de Futebol”.

O SRIJ, sob a dependência do Turismo de Portugal e tutelado pelo Ministério da Economia, é o órgão competente de fiscalização da exploração e prática dos jogos de fortuna ou azar concessionados pelo Estado. Ao final da tarde desta terça-feira, o Ministério Público informou que não tinha recebido nenhuma queixa ou denúncia relativa a alegadas apostas ilegais no jogo Placard, mas adiantou estar a recolher elementos para decidir se instaura ou não um inquérito.

“Não foi recebida, até ao momento, qualquer comunicação relativa a este assunto. O Ministério Público encontra-se a recolher elementos tendo em vista decidir se existe ou não matéria para a instauração de inquérito”, explicou a Procuradoria-Geral da República, em resposta escrita enviada à Lusa. Em conferência de imprensa realizada na tarde de terça-feira, o CDS-PP disse querer saber se na origem da suspensão das apostas no jogo de futebol entre Feirense e Rio Ave está um “caso pontual” ou se obrigará a reforçar o processo legislativo em curso no parlamento.

Em declarações aos jornalistas no parlamento, o porta-voz do CDS-PP, João Almeida, justificou desta forma o pedido de audição do diretor do SRIJ que o partido entregou esta terça-feira na Assembleia da República. “Há, do ponto de vista do parlamento, um processo legislativo em curso para punir práticas irregulares associadas a este tipo de acontecimento, designadamente apostas desportivas e eventual corrupção associadas a apostas desportivas”, explicou João Almeida, acrescentando que estão em discussão na especialidade iniciativas do CDS, PSD e PS sobre esta matéria.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alerta europeu e “risco financeiro” suspenderam apostas no Placard

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião