Grécia: FMI considera que objetivos fixados podem pôr em risco o crescimento

  • Lusa
  • 8 Fevereiro 2017

O FMI reafirma o seu ceticismo com as metas definidas por Atenas. Considera o objetivo de "ambicioso", apontando as medidas que permitiriam atingi-los parecem "excessivamente otimistas".

Os objetivos orçamentais fixados à Grécia pela Zona Euro parecem “demasiado otimistas” e correm o risco de ter “graves repercussões” no crescimento já fraco do país, advertiu hoje o Fundo Monetário Internacional (FMI), num relatório.

Um dos pontos de divergência entre Bruxelas e o FMI foi o objetivo fixado pela Europa para a Grécia no acordo de assistência financeira alcançado no verão de 2015 de um excedente primário (sem os encargos com a dívida) de 3,5% do Produto Interno Bruto a partir de 2018 e durante os 10 anos seguintes.

No relatório anual sobre a economia grega, o FMI reafirma o seu ceticismo, considerando este objetivo “ambicioso” e apontando as medidas que permitiriam atingi-los parecem “excessivamente otimistas”.

“Poucos países conseguiram manter excedentes tão elevados durante longos períodos e menos ainda com taxas de desemprego de dois dígitos” como acontece na Grécia, escreve o FMI no relatório.

O FMI privilegia um objetivo de 1,5% e assegura que um excedente primário de 3,5% poderia apenas funcionar durante “um número limitado de anos” e com reformas estruturais de “alta qualidade”, de acordo com o chefe do departamento do FMI para a Europa, Poul Thomsen.

“É preciso não ter ilusões: se passamos de 1,5% para 3,5% isso terá graves repercussões no crescimento“, afirmou numa conferência telefónica.

A Comissão Europeia já tinha respondido hoje às críticas do FMI, assegurando que os objetivos do seu programa são “credíveis”.

No relatório, que já tinha sido antecipado pela AFP no fim de janeiro, o FMI considera que a dívida grega é “insustentável” e pode tornar-se “explosiva” a longo prazo. O FMI apela à zona euro para propor medidas de alívio da dívida grega, uma opção a que se opõem vários países europeus, incluindo a Alemanha.

“Há um consenso cada vez maior sobre a necessidade de um alívio da dívida”, assegurou Thomsen, acrescentando que as divergências de pontos de vista estão a diminuir.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grécia: FMI considera que objetivos fixados podem pôr em risco o crescimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião