Trabalhadores vão ajudar a identificar necessidades permanentes na Administração Pública

  • Margarida Peixoto
  • 8 Fevereiro 2017

Primeiro-ministro foi ao debate quinzenal fazer um ponto de situação do Programa Nacional de Reformas. E aproveitou para revelar a criação de comissões bipartidas para resolver questão dos precários.

O Conselho de Ministros vai aprovar esta quinta-feira a criação de comissões bipartidas, uma em cada ministério, para identificar as necessidades permanentes de trabalhadores na Administração Pública. A ideia das comissões já era conhecida, mas ficou esta tarde a saber-se que os trabalhadores vão colaborar na tarefa de identificar os casos em que os vínculos precários devem dar lugar a contratos permanentes. Acompanhe o debate em direto

“Será aprovada amanhã, em Conselho de Ministros, a criação em cada Ministério de uma Comissão de Avaliação bipartida encarregue de analisar, caso a caso, todas as situações para identificar as necessidades permanentes, para que vínculos precários deem lugar a verdadeiros contratos que dignifiquem o trabalho em funções públicas”, disse António Costa. Fonte do gabinete do primeiro-ministro confirmou que estas comissões bipartidas integram a representação de trabalhadores.

Costa aproveitou ainda para fazer um ponto de situação do Programa Nacional de Reformas, recuperando as diferentes medidas aprovadas nos últimos meses pelo Executivo. Entre muitas outras medidas, lembrou os programas:

  1. Indústria 4.0, que será desenvolvido com empresas de cinco clusters e visa promover a revolução digital;
  2. Programa Interface, que visa estabelecer a ponte entre as academias e o tecido empresarial;
  3. Programa Capitalizar, cujo objetivo é ajudar as empresas a capitalizar-se. Este programa será avaliado pelo Conselho de Ministros no início de março e deverá entrar em vigor a 1 de julho;

No final, reafirmou a política do Governo: “Não podemos repetir o engano de confundir reformas com cortes”, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores vão ajudar a identificar necessidades permanentes na Administração Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião