Rui Horta e Costa abandona os CTT. É arguido da Operação Marquês

Comunicado dos CTT anuncia que Rui Horta e Costa renunciou ao cargo de administrador não executivo, no mesmo dia em que se sabe que é arguido da Operação Marquês.

Rui Horta e Costa é arguido na Operação Marquês, cujo elemento central é o ex-primeiro-ministro José Sócrates.D.R.

Rui Horta e Costa renunciou ao cargo de administrador não executivo dos CTT, informou a empresa num comunicado publicado esta quarta-feira no site da Comissão do Mercados de Valores Mobiliários (CMVM). A notícia surge no mesmo dia em que o jornal Correio da Manhã avançou que Rui Horta e Costa é arguido da Operação Marquês.

Os CTT informaram que Rui Horta e Costa “comunicou” esta quarta-feira “a sua renúncia ao cargo de administrador não executivo”, bem como “a sua indisponibilidade para o exercício de idênticas funções no mandato 2017-2019”. Horta e Costa justifica a decisão com “motivos pessoais supervenientes à divulgação ontem efetuada das recomendações” da comissão de governo societário da empresa, indica o comunicado.

“Atento o referido e no exercício das suas competências, a Comissão de Governo Societário, Avaliação e Nomeações diligenciará a necessária alteração às respetivas Recomendações quanto à composição dos órgãos sociais dos CTT para o mandato 2017-2019, mantendo os Acionistas da Sociedade e o mercado prontamente informados”, lê-se na mesma nota.

Esta quarta-feira, o jornal Correio da Manhã (acesso pago) noticiou que Rui Horta e Costa, que também foi administrador do resort Vale do Lobo, é o 21º arguido da Operação Marquês. De acordo com o jornal, Horta e Costa é suspeito de ter “promovido o pagamento ilícito de dois milhões de euros a Armando Vara e Carlos Santos Silva”.

O jornal garante que a investigação ao negócio de Vale do Lobo está “praticamente concluída” e que a entrada por parte da Caixa Geral de Depósitos “serviu também para a obtenção de ganhos por parte de Armando Vara e José Sócrates”. O Ministério Público, refere o jornal, acredita que ex-primeiro-ministro é o destinatário do dinheiro que circulou por contas das quais Carlos Santos Silva era o titular.

O ECO contactou a Procuradoria-Geral da República, que confirmou que Rui Horta e Costa “foi constituído arguido no âmbito da designada Operação Marquês”: “O arguido, que é suspeito da prática de factos suscetíveis de integrarem os crimes de corrupção ativa, fraude fiscal, branqueamento e abuso de confiança, ficou sujeito à medida de coação de termo de identidade e residência”, avançou fonte oficial.

Novo board dos CTT apresentado na terça-feira

O mandato do atual conselho de administração dos CTT CTT 0,00% terminou no final de 2016. Ora, ainda esta terça-feira foi tornada pública a lista recomendada pela comissão de governo societário para ocupar o board da empresa postal. Nela, Horta e Costa surge recomendado para o cargo de administrador não executivo.

Recorde-se que a lista, para o mandato de 2017 a 2019, vai separar o cargo de chairman do de presidente executivo, até aqui acumulados por Francisco de Lacerda. António Gomes Mota, anterior vice-presidente do conselho de administração, será o novo chairman e Lacerda continuará como vice-presidente, mantendo-se ainda o CEO da companhia.

Notícia atualizada às 16h46 com declarações da Procuradoria-Geral da República.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Rui Horta e Costa abandona os CTT. É arguido da Operação Marquês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião