BPI afunda 25% após OPA. Saída do PSI-20 pesa

Depois do CaixaBank ter concluído a OPA, ficando com quase 85% do capital, os títulos estão em queda no mercado nacional. A expulsão do índice de referência está a afundar o banco.

O BPI está em forte queda na bolsa. As ações do banco estão a afundar quase 19% depois do resultado da oferta pública de aquisição (OPA) que deixou muito poucas ações em bolsa. A liquidez reduzida levou mesmo a gestora da bolsa de Lisboa a decretar a exclusão dos títulos do banco do índice de referência nacional, o PSI-20.

O CaixaBank não conseguiu atingir nem os 90% do capital, nem os 90% dos títulos que se propunha comprar, como exige o Código de Valores Mobiliários, pelo que não pode lançar uma oferta potestativa. Ficou com 84,52% do banco. Sem OPA, mas também sem aquisição potestativa, deixa de haver sustentação à cotação. Os títulos chegaram a perder um máximo de 25,62%, a maior queda desde 1999. Segue a cair 22,67% para 81,2 cêntimos.

BPI em forte queda

Fonte: Bloomberg

O banco fica em bolsa, mas com poucos títulos disponíveis tendo em conta que a Allianz não vendeu na OPA. Restam cerca de 7% do capital no mercado, o que levou a gestora da bolsa nacional a determinar a exclusão das ações do índice de referência do mercado português, o PSI-20.

“A Euronext comunica que, na sequência dos resultados alcançados na Oferta Pública de Aquisição (OPA) do CaixaBank sobre o BPI, e face à informação disponível à data, foi decidida a exclusão das ações do Banco BPI do índice PSI 20, com data efetiva a 10 de fevereiro”, informou a Euronext, dona da bolsa de Lisboa.

Com esta decisão, o principal índice português passa de 18 para 17 cotadas, sendo que um substituto apenas será promovido na revisão anual do índice, que ocorre apenas em março.

(Notícia atualizada às 11h01 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BPI afunda 25% após OPA. Saída do PSI-20 pesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião