CaixaBank fica com 84,52% do BPI na OPA

O CaixaBank conclui a OPA ao banco português. Ficou com quase 85% do capital, percentagem que não permite avançar com a compra potestativa dos restantes títulos.

O CaixaBank ficou com 84,52% do BPI na OPA. O resultado anunciado esta quarta-feira, na Euronext Lisboa, não permite ao banco catalão avançar com a aquisição potestativa das restantes ações. O banco fica em bolsa, mas com muito menos liquidez.

O banco espanhol conseguiu comprar 568 milhões de ações, o equivalente a 39% dos direitos do BPI com a venda de posições por parte de Isabel dos Santos, do Grupo Violas e também de muitos pequenos acionistas.

Após a operação, o banco liderado por Gonzalo Gortázar acabou por ficar com 84,52%. Para poder avançar com uma oferta potestativa teria de conseguir 90% do objeto da oferta, bem como 90% do capital da instituição. Na apresentação, a Euronext não confirmou se poderia ou não ser exercida a compra potestativa.

No prospeto, o CaixaBank disse não ter intenção de retirar o banco do mercado de capitais, mas também não fechou a porta a fazê-lo. Mesmo que não saia, o BPI fica com uma liquidez muito reduzida, o que coloca em causa a continuidade do banco no índice de referência português.

Maria João Carioca, a ainda presidente da bolsa de Lisboa, disse que a permanência ou não está a ser avaliada. “Ainda durante o dia de hoje será revelada a posição referente à manutenção ou não no PSI-20”. Caso saia, o índice passa de 18 para 17 títulos, sendo que as regras exigem 18 cotadas.

(Notícia atualizada com mais detalhes da operação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CaixaBank fica com 84,52% do BPI na OPA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião