Montenegro acusa Centeno de mentir sobre a Caixa

  • Margarida Peixoto
  • 8 Fevereiro 2017

O líder parlamentar do PSD acusou esta tarde o ministro das Finanças de ter mentido sobre a Caixa. António Costa nega: "não há provas" de que tenha assumido os compromissos, diz.

Luís Montenegro, líder da bancada parlamentar do PSD, acusou esta quarta-feira o ministro das Finanças de ter mentido sobre a polémica da Caixa Geral de Depósitos. O deputado pediu ainda contas ao primeiro-ministro sobre a correspondência trocada entre Mário Centeno e António Domingues, revelada hoje pelo ECO.

“Não estranha que o seu ministro das Finanças lhe tenha ocultado o teor da correspondência que trocou com o anterior presidente da Caixa?” questionou Luís Montenegro, frisando que “notícias que vieram hoje a público confirmam que o ministro das Finanças mentiu” quando disse que desconhecia a razão da demissão de Domingues.

“O senhor ministro das Finanças não mentiu”, respondeu António Costa, frisando que não tira conclusões com base nas cartas, já que “não há qualquer prova de que tenha assumido compromissos que outros alegam que assumiu”.

Em causa está uma troca de correspondência entre António Domingues e Mário Centeno onde o ex-presidente da Caixa recorda ao ministro das Finanças que a não entrega da declaração de rendimentos e património ao Tribunal Constitucional era uma das condições para a equipa de gestão aceitar o convite. Pode ver a carta, ponto por ponto, aqui.

Anteriormente, Costa também já tinha defendido que o Governo está “empenhado em que a comissão parlamentar de inquérito possa apurar a verdade até às ultimas consequências”. E aproveitou para sublinhar que “hoje a Caixa tem os recursos necessários para ser capitalizada e não ser privatizada”, bem como a “autorização das instituições europeias para manter a caixa 100% pública”.

Costa garantiu que a Caixa “não será um novo BES nem o novo Banif” porque “é tutelada por um Governo que não esconde na gaveta as intimações da Comissão Europeia” nem “finge que não há problemas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montenegro acusa Centeno de mentir sobre a Caixa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião