Depois da tempestade, a bonança. BPI recupera

  • Rita Atalaia
  • 10 Fevereiro 2017

Hoje a sessão é de recuperação para o BPI. Depois de uma queda de 12%, as ações estão a avançar quase 2%. Este otimismo está a contagiar o PSI-20, que abriu a sessão no verde, animado pela energia.

A bolsa nacional está a apanhar boleia da recuperação dos títulos do BPI. As ações do banco português tombaram 12% na quinta-feira. Mas hoje avançam quase 2% na abertura. Com esta subida, o PSI-20 abre a última sessão da semana no verde, animado pelos ganhos no setor energético.

O índice de referência nacional, o PSI-20, abriu a sessão a ganhar 0,23% para os 4.605,51 pontos, num dia de recuperação dos títulos do BPI. As ações arrancaram a subir 1,63% para 94 cêntimos. Mas esta subida intensificou-se, com os títulos a valorizar agora 6,52% para os 98 cêntimos, animadas pela decisão da agência Fitch de melhorar o rating do BPI, retirando-o da zona considerada investimento especulativo (lixo).

Uma “decisão positiva para o banco” ainda liderado por Fernando Ulrich, refere o CaixaBI, numa nota de research. Os títulos recuperam assim de um tombo de 12% na quinta-feira, provocado pela decisão da Euronext de excluir o BPI do PSI-20, que fica novamente com 17 cotadas a partir desta sexta-feira.

O mesmo não se pode dizer do BCP, que cai 1,30% para os 14,48 cêntimos. O banco liderado por Nuno Amado chegou a tocar um novo mínimo histórico de 13,3 cêntimos depois de ter lançado mais 14 mil milhões de novas ações no mercado.

O bom desempenho do setor energético também está a ser determinante para os ganhos da praça portuguesa. Destaque para o grupo EDP, com a casa-mãe a subir 0,32% e a EDP Renováveis a avançar 0,46%. Já a Galp Energia arrancou a negociação a perder. A petrolífera descia 0,22% para 13,77 euros, contrariando a subida dos preços do petróleo. A retalhista Jerónimo Martins também não começou a sessão da melhor maneira, cedendo 0,28%.

(Notícia atualizada às 08h19)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da tempestade, a bonança. BPI recupera

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião