Cortiça vive melhor ano de sempre

O setor da cortiça está prestes a bater na barreira dos mil milhões em exportações. Metade deste valor vem da maior empresa do setor: a Corticeira Amorim. Setor precisa de mais distribuição.

Pensar global: um setor da cortiça fortemente orientado para os mercados internacionais faturou, no global, perto de 940 milhões de euros em 2016. Um valor histórico e que vai obrigar à revisão do plano estratégico do setor. O objetivo dos mil milhões de euros estava, segundo o plano estratégico em vigor, previsto para 2020. Mas, a este ritmo, deverá ser alcançado já em 2017.

Só que esta não é a única ambição do setor. A indústria precisa de potenciar o crescimento do volume de negócios e, para isso, necessita de investimentos ligados à área da distribuição. Com a líder de mercado, a Corticeira Amorim, a pesar cerca de 50% de todo o setor, a consolidação é também uma necessidade. O setor dá emprego a 9.000 trabalhadores, conta com 670 empresas e soube enfrentar o problema do TCA (composto químico que dá ao vinho o sabor a rolha) e impôs-se à concorrência dos vedantes de plástico e metal, para o que deve ter contribuído o investimento de 500 milhões em inovação e desenvolvimento na última década.

"São números fantásticos (…) um dado objetivo é que será o melhor ano de sempre do setor da cortiça.”

João Rui Ferreira

Presidente da APCOR

João Rui Ferreira, presidente da Associação Portuguesa da Cortiça (APCOR), adianta em conversa com o ECO que “estes números são ainda provisórios, mas são números fantásticos. Devemos ter atingido os 940 milhões de euros, e um dado objetivo é que será o melhor ano de sempre do setor da cortiça”. Com este valor, acrescenta o presidente da associação do setor, “ficamos muito próximos do objetivo dos mil milhões de euros, uma meta que estava traçada para 2020”.

Números oficiais do setor, só existem relativamente a 2015. Segundo dados do comércio externo do Instituto Nacional de Estatística (INE), Portugal exportou 899,3 milhões de euros (177,4 milhares de toneladas), o que representa um crescimento de 6% face a 2014, em valor, e uma diminuição de 2,5% no que diz respeito ao volume.

As exportações portuguesas de cortiça representam 1,2% nas exportações totais e significam uma balança comercial de 757,3 milhões de euros.

Evolução das exportações portuguesas de cortiça

Fonte: INE (Valores em milhões de euros)

Mas para onde vai a cortiça exportada?

O ano de 2015 foi um ano particular no que toca às exportações. Os Estados Unidos assumiram-se como principal destino das exportações nacionais, tendo destronado a histórica França para o segundo lugar, ao registarem 19,8% do total das exportações, o equivalente a 177,8 milhões de euros. Ainda assim e, no global, a Europa é o principal destino das exportações de cortiça, com cerca de 60% do total em valor e cerca de 70% em volume. Dentro da Europa, os principais destinos são a França com uma quota de 18,1%, Espanha com 11,2%, Itália com 9,7% e Alemanha, com 8%.

Exportações portuguesas de cortiça por país de destino

Fonte: INE (Valores em percentagem, em 2015)

Portugal é líder mundial do setor da cortiça, no campo das exportações. Segundo os últimos dados disponíveis no anuário da cortiça 2016 da APCOR, em 2015 Portugal obteve uma quota de 62,7%, seguido de Espanha com 16%. Já o total mundial das exportações de cortiça atingiu, em 2015, 1.430,8 milhões de euros, uma subida de 4,3% face a 2014. No que se refere às importações de cortiça, Portugal assume o quarto lugar com uma quota de 9,5% num total de 142,6 milhões de euros.

Que indústrias consomem cortiça?

O setor da cortiça anda muitas vezes associado com o setor dos vinhos e… percebe-se porquê. A indústria vinícola absorve 72% de tudo o que é produzido pelo setor corticeiro (sobretudo em rolhas de cortiça), logo seguido pelo setor da construção civil, com 28%. De referir que, no setor de construção, estão incluídos os pavimentos, isolamentos e revestimentos, os cubos, placas, folhas, tiras e ainda artigos de decoração, quer para casa como para escritório.

Exportação de cortiça por tipo de produtos em valor

Fonte: INE (Valores em percentagem, em 2015)

Porém, se tivermos em conta os volumes, constatamos que os dados são inversos. Neste caso a liderança pertence aos materiais de construção, com praticamente 70% (123 milhares de toneladas), enquanto as rolhas de cortiça atingem os 26% (46 milhares de toneladas).

Numa análise mais segmentada, constata-se que as rolhas naturais (61%) são as que assumem maior destaque dentro do segmento das rolhas, logo seguidas pelas rolhas de champanhe (20%) e, finalmente, outro tipo de rolhas (19%). As rolhas naturais têm como principal mercado os Estados Unidos (103,2 milhões de euros), enquanto as rolhas de champanhe são sobretudo consumidas em França (32,4 milhões de euros), seguida de muito perto por Itália com 29,9 milhões de euros.

No que diz respeito aos materiais de construção, os principais produtos exportados são ladrilhos, cubos, blocos e outros produtos com aglutinantes, representando mais de 151,2 milhões de euros, logo seguido pelos desperdícios de cortiça com 38,5 milhões de euros.

Os materiais de construção têm como principal mercado a Alemanha, cujo valor representa cerca de 50,4 milhões de euros. Os Estados Unidos ocupam a segunda posição com 36 milhões de euros, seguidos pela Espanha com 23,4 milhões de euros.

Neste contexto, que futuro para as exportações de cortiça? Consolidar ou procurar novos mercados?

Para o presidente da APCOR, o setor vai estar sempre muito dependente dos mercados onde há produção de vinho. “Olhamos para o mundo vinícola em todas as geografias, até porque hoje há vinhos que não são engarrafados na origem mas sim no destino. E isso pode levar a que o setor olhe para outros mercados”. Porém, João Rui Ferreira diz que a busca hoje é “por novos consumidores e não por novos mercados“. E acrescenta: “Temos de olhar, não só para o mercado de destino das nossas exportações como também para o mercado de destino das exportações dos nossos clientes”. E dá o exemplo da região de Bordéus, cujo maior destino de exportação é a China. “Temos de olhar para o mercado chinês e ver de que forma é que ele incorpora a cortiça, para depois comunicarmos isso ao nosso cliente em Bordéus”.

A China, refere, “funciona como um mercado influenciador”. E é por isso que o Intercork III, o novo programa de promoção internacional da cortiça, não esqueceu este mercado. A China é atualmente o quinto consumidor de vinho do mundo e o quarto maior importador de vinhos engarrafados.

Mas o que significam todos estes números?

O presidente da APCOR dá a resposta. Para João Rui Ferreira, estes números valem sobretudo porque são sinónimo de que o setor conseguiu transformar dificuldades em oportunidades. “No início do milénio, a matéria-prima cortiça foi posta em causa e, a este facto, somou-se a crise de 2009, a que o setor obviamente não ficou imune”, refere.

Mas como as dificuldades podem ser oportunidades, o setor uniu esforços e nos últimos sete anos registou 250 milhões de euros de crescimento.

João Rui Ferreira diz que “num primeiro momento, o setor enveredou por uma mini reestruturação da função industrial e depois olhou para o mercado de forma diferente. Nesta matéria penso que a APCOR teve um papel fundamental porque soube comunicar primeiro aos clientes e, numa segunda fase, aos consumidores”.

Novas aplicações com cada vez maior peso

As novas aplicações de cortiça, que requerem inovação e tecnologia, estão a catapultar a cortiça para outro patamar, fazendo com que o setor deixe de viver quase exclusivamente do fabrico de rolhas. Hoje as novas aplicações de cortiça vão de setores tão variados como a moda, o automóvel, a construção ou a decoração.

O presidente da APCOR reconhece que o setor está “numa rota de crescimento que tem que ter sustentação pelo valor“. Até porque, alerta: “A matéria-prima com que trabalhamos não é escassa, nunca ficou por satisfazer uma encomenda por falta de matéria-prima. Mas também não é ilimitada”.

A cortiça, diz João Rui Ferreira, que teve em tempos de sacrificar valor para garantir quota, “está hoje em condições de se afirmar pela qualidade e pela diferenciação em termos de valor acrescentado para o cliente”.

Para o presidente da associação setorial “temos também muita tradição na construção civil, mas cada vez mais o que vemos são as aplicações históricas a deixarem de ser utilizadas e a aparecerem novas”. Um dos exemplos citados pelo presidente da APCOR passa exatamente por um dos setores mais exigentes em termos de tecnologia: o setor automóvel.

“No automóvel foram usados durante anos as juntas de cortiça nos motores automóveis. Eventualmente, estas vão deixar de existir com o fim dos motores de combustão e a sua substituição por motores elétricos. Mas deixamos de estar presentes nas juntas e passamos para os tabliers, as portas”.

"Para um material usado desde a Antiguidade, a versatilidade camaleónica da cortiça não deixa de pasmar. Pela capacidade de se renovar e adaptar às novas exigências tecnológicas, continuará a ser o ouro português.”

A química da cortiça

National Geographic, março 2009

Das novas aplicações qual terá mais futuro?

“Têm aparecido tantas e em tantas áreas que é difícil responder. Há dois anos ninguém imaginava que a cortiça pudesse ser aplicada nos relvados de futebol. De qualquer forma penso que a área dos transportes pode ter uma margem de progressão enorme”.

Nada acontece por acaso, a indústria corticeira mobilizou-se e investiu 500 milhões de euros em investigação e desenvolvimento na última década.

Produção de cortiça

O setor da cortiça não se limita à indústria. Em termos de produção de cortiça, Portugal assume a liderança do setor mais concretamente com 100 mil toneladas, correspondente a 49,6% de toda a produção mundial. Em segundo lugar aparece a vizinha Espanha com 30,5% do total da produção correspondente a 61,5 mil toneladas.

Já em termos de montado de sobro, Portugal detém a liderança, ao concentrar 34% da área mundial (736 mil hectares). O sobreiro é, de resto, a segunda espécie florestal dominante em Portugal — cuja liderança pertence ao eucalipto –, e está concentrado sobretudo no sul do país, com particular destaque para o Alentejo, que concentra 84% do total.

Estrutura empresarial: a Corticeira e as outras

A Corticeira Amorim é a grande líder do setor da cortiça. Só a empresa gerida por António Rios Amorim vale mais de metade das exportações de toda indústria. De resto, o tecido empresarial da fileira da cortiça é muito heterogéneo mas composto maioritariamente por pequenas e muito pequenas empresas, com forte concentração geográfica e níveis baixos de qualificação de pessoal.

Atualmente, o setor conta com 670 empresas a operar em Portugal, segundo dados do anuário da cortiça 2016. O documento diz que estas empresas são responsáveis pelo emprego de 9.000 trabalhadores e produzem 40 milhões de rolhas por dia (35 milhões no norte de Portugal).

O presidente da APCOR diz que “esta é a nossa realidade, mas que vivemos bem com ela”. João Rui Ferreira sublinha que ainda há lugar a consolidação dentro do setor, mas que “esta vai fazer-se a um ritmo lento”. De resto, o presidente da associação setorial afirma que “é importante fazer a separação entre rolhas e novas aplicações, porque neste último caso a consolidação é evidente”.

Comentários ({{ total }})

Cortiça vive melhor ano de sempre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião