Os 25 lugares mais caros para casar

  • ECO
  • 12 Fevereiro 2017

O site de planeamento de casamentos The Knot reuniu uma lista dos 25 sítios onde fica mais caro dar o nó. O estado de Nova Iorque lidera e está presente cinco vezes na lista, tal como o da Califórnia.

Nunca foi tão caro casar nos Estados Unidos como hoje em dia. A conclusão é apresentada pelo Business Insider, através dos dados recolhidos pelo site de planeamento de casamentos The Knot, que compilou uma lista com os 25 locais onde custa mais planear um casamento. Nova Iorque e Califórnia lideram o ranking.

Em média, um casamento nos Estados Unidos custa 35 mil dólares. É o valor mais alto de sempre. Pelo menos, segundo as conclusões do décimo inquérito anual levado a cabo pelo site de planeamento de casamentos The Knot, que tentou averiguar quanto é que os noivos e noivas costumam desembolsar na organização daquele que é o dia mais importante das suas vidas.

O estudo inclui os testemunhos de 13 mil pessoas que deram o nó em 2016 e engloba todos os aspetos da cerimónia, desde o custo do vestido de noiva ao bolo do copo de água.

Em primeiro lugar na lista surge a zona mais cara e elitista do estado de Nova Iorque, Manhattan, com a cerimónia a custa uma média de 78 mil dólares. Segue-se a zona costeira da elite, Long Island, com 68 mil dólares. O terceiro lugar do pódio é ocupado pelas zonas norte e central de New Jersey, com uma média de 63 mil dólares por casamento.

Ao todo, as várias áreas do estado de Nova Iorque surgem cinco vezes entre as 25 opções, sendo que a 25ª posição é ocupada precisamente pelas cidades na fronteira norte do estado, ou seja, Upstate New York. O estado da Califórnia também é mencionado cinco vezes, e é onde fica o 24º lugar da contagem, em Orang County. O 23º lugar pertence à cidade de Detroit, no estado do Michigan.

Consulta a lista completa, com os valores médios para cada um dos 25 locais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os 25 lugares mais caros para casar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião