Filhos aos 40? Não é problema

  • Leonor Rodrigues
  • 18 Outubro 2016

Startup norte-americana criou um processo programado e controlado ao pormenor para se ter filhos quando se quiser.

Pensa em ter filhos mas não sabe quando? E se for tarde de mais? Já não é um problema. “Faça uma pausa” ou “a vida pode perfeitamente começar aos 40”, são alguns dos motes da Prelude, uma startup de fertilidade nos Estados Unidos que controla o processo de ter um filho, incluindo o momento em que o quer ter.

O fundador, Martín Varsavsk, defende que o processo que utiliza é mais seguro e menos traumático do que a fertilização in vitro, com a qual tem já experiência: os seus seis filhos foram gerados desta forma mas o processo é “demasiado lento”. Martín está agora à espera do seu sétimo filho, criado pelo seu próprio método.

A empresa oferece um plano completo para assegurar a descendência no futuro. Por 200 dólares mensais (cerca de 182 euros), a empresa garante todo o processo desde a extração dos óvulos à congelação, mantendo in vitro todo o material embrionário saudável e previamente selecionado para garantir que o futuro bebé não vai ter problemas. Varsavsk investiu 200 milhões de dólares (cerca de 182 milhões de euros) e afirma não ter inventado propriamente nada, defendendo que a inovação está na compilação de várias tecnologias já existentes para criar um novo método, oferecendo-o como um serviço.

As pessoas querem ter filhos a partir dos 35 ou 40 anos mas é quando se tem 25 que se tem o melhor material.

Martín Varsavsk

CEO Prelude

“Procurei a melhor forma de ter bebés. O problema é não ir à clínica enquanto ainda se é fértil e sim quando já existem complicações. As pessoas querem ter filhos a partir dos 35 ou 40 anos mas é quando se tem 25 que se tem o melhor material. Nessa altura, congelam-se os gâmetas, selecionam-se os saudáveis e procede-se à implantação para evitar a formação de gémeos”, explica ao El País.

Esta não é a primeira aposta na área da saúde do CEO da Prelude que foi também fundador da Medicorp e investidor na 23andMe. Varsavsk não nega o seu desejo de se expandir para o mercado europeu mas admite que as questões legais não são favoráveis. “O que se pode fazer num país não se pode fazer noutro. Por exemplo, com os embriões, com a conservação do material genético. Nos Estados Unidos é tudo mais fácil e é um mercado de mais de 300 milhões de habitantes”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Filhos aos 40? Não é problema

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião