A startup portuguesa que invadiu os aeroportos internacionais

  • Leonor Rodrigues
  • 17 Outubro 2016

A Vision-box é a responsável pelos pórticos com tecnologia de reconhecimento facial nos aeroportos. Faro foi o ponto de partida para a internacionalização e tudo começou por causa de um jogo de golfe.

Há uma startup portuguesa que está a revolucionar os processos de uma viagem. A Vision-box, fundada por Miguel Leitmann e Bento Correia, criou os primeiros passaportes com chip biométrico eletrónico em Portugal, levando à criação de pórticos com tecnologia de reconhecimento facial, os e-gates, que têm como objetivo facilitar o tráfico nas áreas fronteiriças.

Um dos sistemas-piloto encontrava-se no Aeroporto de Faro. Um político britânico tinha ido ao Algarve para jogar golfe quando se deparou com o e-gate. Não vou sair do país até falar com a empresa que produziu esta tecnologia“. Foi nessa altura que as portas se abriram também para a Vision-box, que expandiu o projeto para os mercados europeu e internacional. O primeiro aeroporto a ter esta tecnologia fora do território nacional foi o de Manchester. Depois, mais de 60 sistemas foram instalados e a startup tem ainda um acordo com o Reino Unido para a instalação do software em todos os tipos de postos fronteiriços.

Se já viajou para Londres, por exemplo, é provável que já tenha utilizado este sistema inovador, presente em vários aeroportos, nomeadamente no de Heathrow. Também nos Estados Unidos a tecnologia já é utilizada, nomeadamente no Aeroporto JFK, em Nova Iorque, ainda que não exatamente da mesma forma, de acordo com a Bloomberg.

Até agora, a Vision-box tem-se focado mais nos pórticos fronteiriços mas pretende alargar a área de atuação e trabalhar diretamente com governos e autoridades policiais para que os viajantes deixem de ter de mostrar os documentos em todas as fases da viagem: check-in, segurança, embarque, entre outras. Além disso, a startup ambiciona ser independente dentro de dois ou três anos. Atualmente, tem tido o apoio da Keensight, que têm investido na Vision-box, financiando tecnologia para a empresa ou até para a aquisição de outras empresas.

Texto editado por Mariana de Araújo Barbosa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A startup portuguesa que invadiu os aeroportos internacionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião