A startup portuguesa que invadiu os aeroportos internacionais

  • Leonor Rodrigues
  • 17 Outubro 2016

A Vision-box é a responsável pelos pórticos com tecnologia de reconhecimento facial nos aeroportos. Faro foi o ponto de partida para a internacionalização e tudo começou por causa de um jogo de golfe.

Há uma startup portuguesa que está a revolucionar os processos de uma viagem. A Vision-box, fundada por Miguel Leitmann e Bento Correia, criou os primeiros passaportes com chip biométrico eletrónico em Portugal, levando à criação de pórticos com tecnologia de reconhecimento facial, os e-gates, que têm como objetivo facilitar o tráfico nas áreas fronteiriças.

Um dos sistemas-piloto encontrava-se no Aeroporto de Faro. Um político britânico tinha ido ao Algarve para jogar golfe quando se deparou com o e-gate. Não vou sair do país até falar com a empresa que produziu esta tecnologia“. Foi nessa altura que as portas se abriram também para a Vision-box, que expandiu o projeto para os mercados europeu e internacional. O primeiro aeroporto a ter esta tecnologia fora do território nacional foi o de Manchester. Depois, mais de 60 sistemas foram instalados e a startup tem ainda um acordo com o Reino Unido para a instalação do software em todos os tipos de postos fronteiriços.

Se já viajou para Londres, por exemplo, é provável que já tenha utilizado este sistema inovador, presente em vários aeroportos, nomeadamente no de Heathrow. Também nos Estados Unidos a tecnologia já é utilizada, nomeadamente no Aeroporto JFK, em Nova Iorque, ainda que não exatamente da mesma forma, de acordo com a Bloomberg.

Até agora, a Vision-box tem-se focado mais nos pórticos fronteiriços mas pretende alargar a área de atuação e trabalhar diretamente com governos e autoridades policiais para que os viajantes deixem de ter de mostrar os documentos em todas as fases da viagem: check-in, segurança, embarque, entre outras. Além disso, a startup ambiciona ser independente dentro de dois ou três anos. Atualmente, tem tido o apoio da Keensight, que têm investido na Vision-box, financiando tecnologia para a empresa ou até para a aquisição de outras empresas.

Texto editado por Mariana de Araújo Barbosa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A startup portuguesa que invadiu os aeroportos internacionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião