Turismo dá sinais de abrandamento. Número de hóspedes sobe em agosto, mas longe do crescimento a dois dígitos

Crescimento do número de hóspedes ficou aquém do que tem sido registado, mas a faturação da hotelaria continua a aumentar a dois dígitos.

A hotelaria nacional recebeu 2,3 milhões de hóspedes em agosto, um aumento de 3,4% face ao mesmo mês do ano passado, segundo os dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O crescimento do número de hóspedes fica bastante aquém dos valores que têm sido registados nos últimos meses, mas a hotelaria continua a faturar cada vez mais.

Ao todo, foram 2.336.100 hóspedes que dormiram nos hotéis e alojamentos portugueses, responsáveis por 7,5 milhões de dormidas. Os crescimento ligeiros, de 3,4% e 3,7%, respetivamente (em julho, as subidas homólogas tinham sido de 10,8% e 7,7%), ficam a dever-se, sobretudo, à contração do mercado interno.

Segundo o INE, os residentes em Portugal foram responsáveis por 2,5 milhões de dormidas em agosto, menos 3,3% do que em agosto do ano passado. Já os estrangeiros continuam a suportar o turismo nacional. Em agosto, foram responsáveis por 4,96 milhões de dormidas, mais 7,7% do que há um ano.

No conjunto do ano, os resultados são mais positivos. No acumulado de janeiro a agosto, a hotelaria nacional recebeu 12,9 milhões de hóspedes, mais 9,4% do que em igual período do ano passado, e registaram-se mais de 37 milhões dormidas, um aumento homólogo de 8,9%.

Algarve em desaceleração expressiva

Todas as regiões estão a crescer em número de dormidas, quer no mês de agosto, quer no conjunto do ano. Mas o Algarve destaca-se pela desaceleração: em agosto, registou 2,9 milhões de dormidas, um aumento de apenas 0,7% face ao mesmo mês do ano passado. A região mantém-se, ainda assim, como aquela que concentra o maior número de dormidas do país.

Do lado oposto, com o maior crescimento, estão os Açores, que aumentaram o número de dormidas em 10,1%, para um total de 222 mil dormidas. No conjunto de janeiro a agosto, os Açores voltam a destacar-se, com uma subida de 21,6% no número de dormidas, para mais de um milhão.

(Notícia atualizada pela última vez às 11h32)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo dá sinais de abrandamento. Número de hóspedes sobe em agosto, mas longe do crescimento a dois dígitos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião