Este é um negócio de abraços. Conhece?

  • Ana Luísa Alves
  • 13 Dezembro 2016

Abraçar pode ser uma arte. E, em Los Angeles, Fei Wyatt vende cada sessão dos seus abraços por 80 dólares. Aceita um?

Em Los Angeles há uma escola para quem quer aprender a abraçar e ser abraçado. Sim, isso mesmo. Este é o verdadeiro negócio dos abraços e Fei Wyatt é uma das formadoras no Cuddle Sanctuary.

Fei vende cada sessão de abraços individual por 80 dólares (aproximadamente 75 euros) por hora, e acredita que o abraço permite uma conexão autêntica com os outros e connosco mesmos. Dá workshops sobre o toque entre as pessoas e vê os clientes individualmente se assim o quiserem. As sessões são compostas por várias etapas.

“Primeiro respiramos juntos, damos as mãos, falamos se a pessoa quiser e, por fim, abraçamo-nos”, revela Fei no documentário de 60 segundos que conta a sua história. No entanto, Fei refere também que sabe que o seu trabalho é desvalorizado e confundido, por vezes, com a prostituição.

“Não é isso que ofereço. O meu trabalho é completamente platónico e não são pessoas desesperadas que me procuram. São pessoas que precisam do toque, como o abraço”, referiu Fei no documentário.

Fei trabalha com todo o tipo de pessoas, sobretudo as que têm depressão, problemas com a imagem ou conflitos na relação com o outro ou na intimidade. Formou-se no Cuddle Sanctuary, com Jean Franzblau, fundadora e diretora do local.

Segundo pode ler-se no site, é possível ir até um santuário e ter uma formação individual ou em grupo, ou receber uma das formadoras em casa.

Para a diretora e fundadora do santuário, Jean Franzblau, abraçar é muito mais do que parece. Num vídeo explicativo, a fundadora refere que os abraços ajudam o sistema imunitário, normalizam o ritmo cardíaco, ajudam a dormir melhor e diminuem o stress.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este é um negócio de abraços. Conhece?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião