Grécia vai precisar de menos ajuda do que o previsto

  • Lusa
  • 19 Fevereiro 2017

A previsão é de Klaus Regling, o diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade: a Grécia pode vir a precisar de menos apoio do que estava inicialmente previsto no terceiro programa de resgate.

O primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, tem agora mais um motivo para sorrir.© European Union, 2016 / Fotografia: Yorgos Karahalis

O diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEDE), Klaus Regling, prevê que a Grécia venha a precisar de menos ajuda do que estava inicialmente estimado no terceiro programa de resgate, apesar da complexa situação financeira do país.

“Ultrapassámos já a metade do período de três anos previsto para o programa e até agora pagámos cerca de 32.000 milhões de euros”, afirma Regling, em declarações ao diário Bild, que serão publicadas na edição de segunda-feira, mas que foram hoje divulgadas.

Segundo o diretor do MEDE, até ao final do programa de assistência financeira à Grécia, em agosto de 2018, serão necessários “claramente menos créditos” do que inicialmente se calculou como máximo, estabelecido nos 86.000 milhões de euros. Regling argumenta que as necessidades de capitalização dos bancos gregos são menores do que o estimado e que a situação da Grécia evoluiu melhor do que o previsto.

Estas declarações precedem a reunião de segunda-feira dos ministros das Finanças da zona euro, o Eurogrupo, para abordar a situação da Grécia. Atenas e os seus parceiros internacionais vão para a reunião sem ter conseguido um consenso para que os técnicos da Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE), MEDE e Fundo Monetário Internacional (FMI) voltem ao país para avaliar se a Grécia cumpriu as condições associadas ao terceiro resgate.

Na zona euro tem sido considerado que não há urgência para alcançar um acordo porque a Grécia tem liquidez neste momento, mas em julho o país terá de pagar 6.257 milhões de euros de vencimento de dívida.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grécia vai precisar de menos ajuda do que o previsto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião