Eurogrupo reúne-se hoje em Bruxelas sem perspetiva de novo desembolso à Grécia

  • Lusa
  • 20 Fevereiro 2017

Ministros das Finanças da zona euro reúnem-se em Bruxelas sem perspetivas de acordo com vista ao encerramento da segunda revisão do programa de assistência à Grécia, que Atenas desejava concluir.

O Governo grego ainda não chegou a um entendimento com os serviços técnicos das instituições – Comissão Europeia, Banco Central Europeu, Mecanismo Europeu de Estabilidade e Fundo Monetário Internacional – que permitam o regresso destes a Atenas numa missão para avaliar se a Grécia cumpriu as condições associadas ao terceiro programa de resgate em curso, pelo que está afastada a hipótese de um acordo ao nível político na reunião de hoje.

Deste modo, os ministros das Finanças da Zona Euro limitar-se-ão a fazer um ponto da situação do programa de assistência à Grécia, que terá de aguardar por março ou mesmo abril, em função dos progressos que realizar no cumprimento das condições impostas pelos seus credores, para receber novo desembolso no quadro da segunda revisão do programa de “resgate” em curso.

Na curta agenda da reunião de hoje do Eurogrupo está incluída uma apresentação, por parte da Comissão Europeia, das recentes previsões económicas de inverno, que, no caso português, abrem caminho ao encerramento, este ano, do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) a Portugal, já que Bruxelas estima um défice de 2,3% em 2016 e uma trajetória sustentável nos próximos anos.

No entanto, uma decisão sobre o PDE só será tomada provavelmente em maio, depois de o Eurostat validar os dados de 2016 e a Comissão emitir as recomendações específicas por país, tendo já em sua posse o Programa de Estabilidade e Crescimento que o Governo de António Costa terá de apresentar entretanto.

Portugal estará representado na reunião de hoje em Bruxelas pelo ministro Mário Centeno.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eurogrupo reúne-se hoje em Bruxelas sem perspetiva de novo desembolso à Grécia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião