Angola penaliza resultado da Galp, lucro cai 24% em 2016

Imparidades em Angola penalizam lucro da Galp em 2016. Resultado líquido da petrolífera baixou 24%, superando ainda assim as estimativas do mercado.

A Galp GALP 0,00% registou um lucro de 483 milhões de euros em 2016, um resultado que fica 24% abaixo do alcançado no ano anterior e que reflete sobretudo as imparidades registadas na operação em Angola.

Apesar da queda acentuada, o desempenho da petrolífera nacional superou as estimativas dos analistas sondados pela Bloomberg, que antecipavam um tombo de 27% do lucro para 466 milhões de euros.

Explicando a evolução dos resultados em 2016 em comunicado enviado esta manhã à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Galp destaca a penalização em 20 milhões de euros do efeito stock e ainda “eventos não recorrentes”, que tiveram um impacto negativo em 324 milhões de euros, “incluindo as imparidades sobre os ativos de Exploração e Produção em Angola, bem como as imparidades relacionadas com a transferência de contratos para a construção dos cascos relativos às FPSO”.

No total, o volume de negócios da Galp ascendeu a 13,12 mil milhões de euros em 2016, menos 15% face ao ano anterior. A área de Refinação & Distribuição continua a representar a principal atividade da empresa, tendo faturado 10,52 mil milhões de euros neste segmento. O negócio de Gas & Power registou vendas no valor de 2,44 mil milhões de euros (menos 25% face ao ano anterior).

Já a Exploração & Produção registou um aumento de 38% do negócio, para 852 milhões de euros — uma evolução impactada também pela realocação das atividades de trading do segmento R&D para o segmento E&P.

A Galp destaca ainda a descida da dívida líquida em 335 milhões de euros para os 1.870 milhões de euros a 31 de dezembro de 2016. Contando com o empréstimo à Sinopec, a dívida era de apenas 1.260 milhões de euros, representando uma vez o EBITDA da petrolífera, um dado de solidez financeira que os analistas consideram como bastante positivo e que abre portas a aquisições no Brasil ao longo deste ano.

Jornalista viajou a Londres a convite da Galp.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angola penaliza resultado da Galp, lucro cai 24% em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião