Offshores: PSD diz que há explicações a dar, mas sem “dramas”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 22 Fevereiro 2017

Duarte Pacheco reagiu à notícia de que o fisco deixou escapar, sem vigilância, 10 mil milhões de euros para offshores entre 2011 e 2014.

O deputado do PSD Duarte Pacheco entende que há “explicações a serem dadas, e sem dramas, no que diz respeito às transferências de dez mil milhões de euros que saíram para offshores entre 2011 e 2014, sem vigilância do fisco, conforme noticiou na terça-feira o Público.

Em declarações transmitidas pela RTP3, Duarte Pacheco afirmou que “têm que ser dadas” explicações. Já ontem, em declarações à Rádio Renascença, o deputado tinha afirmado que “é preciso que explicações sejam dadas antes de retirarmos a conclusão se é grave ou se não é grave“.

“É preciso perceber, em primeiro lugar, se a fiscalização atua, por exemplo, por amostragem, e se estas são a um volume elevado, mas é um volume parcial de um conjunto de transferências que ocorre. Em segundo lugar, é preciso ser dada uma explicação também porque é que, porventura, estas não foram alvo de fiscalização – se por falta de meios, se por excesso de trabalho. Em terceiro lugar, é preciso sempre pensar que as transferências não são todas ilegais”, salientou.

“É legal as pessoas transferirem dinheiro para outros sítios, desde que paguem aqui os impostos sob o rendimento que gerou esse dinheiro. Sejam empresas, sejam particulares. Portanto, o simples facto de alguém transferir o dinheiro para o local A, B ou C, isso é legal, a pessoa pode transferir, desde que tenha pago os impostos respetivos”, acrescentou ainda.

PSD, PCP e Bloco de Esquerda já pediram a audição parlamentar do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, bem como do ex-titular da pasta, Paulo Núncio. Já o PS limitou o pedido à audição do atual governante.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshores: PSD diz que há explicações a dar, mas sem “dramas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião