Ryanair acredita que aeroporto do Montijo poderia operar no verão de 2018

  • Lusa
  • 22 Fevereiro 2017

A companhia low cost Ryanair criticou o Governo por demorar quatro anos para colocar a base de Montijo como aeroporto complementar de Lisboa. Diz que seria possível operacionalizar base já em 2018.

A companhia aérea Ryanair criticou hoje que o Governo demore quatro anos até colocar a base do Montijo como aeroporto complementar de Lisboa, referindo ser possível que as operações tivessem início no verão de 2018.

Em conferência de imprensa para apresentar o “calendário inverno 2017” em Lisboa, o presidente executivo da companhia irlandesa de baixo custo, Michael O’Leary, questionou as razões pelas quais os estudos se vão arrastar “por quatro anos”.

O dirigente referiu que irá “encorajar o Governo português para abrir o Montijo antes dos quatro anos, e sim a tempo do verão de 2018”.

“Quatro anos para fazer um estudo? Por que não telefonam à Ryanair? Podiam ter o estudo pela hora de almoço, mas a ANA não quer o estudo pela hora de almoço e não quer a capacidade aberta no Montijo hoje”, argumentou ainda.

A transferência das companhias para o Montijo vai depender apenas dos “preços oferecidos”, considerou o responsável, acrescentando que a grande vantagem no Montijo é um “maior espaço” que permitirá crescer, ao contrário da infraestrutura atual de Lisboa.

“Se no Montijo for cobrado metade do preço em relação à Portela, então muitas companhias aéreas, como a Ryanair, e provavelmente a easyJet, vão para lá”, anteviu o dirigente, que referiu ainda não ter decidido se muda a operação para a margem Sul do rio Tejo.

"Se no Montijo for cobrado metade do preço em relação à Portela, então muitas companhias aéreas, como a Ryanair, e provavelmente a easyJet, vão para lá.”

Michael O’Leary

CEO da Ryanair

Aos jornalistas, O’Leary lembrou já funcionar no Montijo a base aérea militar, pelo que “suspeita que a ANA, juntamente com o Governo português, está a tentar adiar a abertura” ao movimento comercial.

O responsável questionou a razão de a ANA-Aeroportos de Portugal, gerida pela VINCI, planear gastar 250 milhões de euros e comentou que o “problema da privatização da ANA é que dá à VINCI um género de controlo sobre o Montijo”.

O’Leary também criticou a intenção da ANA em aumentar em 4% as taxas no aeroporto Humberto Delgado e, apontando, para o braço lesionado que levava ao peito, explicou que “é o resultado de discordar de um monopólio”.

“Nós perdemos. Eles torcem o braço até nós dizermos: sim, nós pagamos a subida de 4%”, resumiu o dirigente, acusando ainda a ANA de “artificialmente conter a capacidade da Portela”.

O responsável falava na apresentação do “calendário de inverno Lisboa 2017”, que inclui 26 rotas, das quais três novas rotas para Baden (Alemanha), Bruxelas (Charleroi) e Cracóvia.

Do calendário constam também seis rotas novas de inverno para Bolonha (Itália), Glasgow (Escócia), Luxemburgo, Nápoles (Itália), Toulouse (França) e Breslávia (Polónia).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair acredita que aeroporto do Montijo poderia operar no verão de 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião