‘Offshores’: Ministério Público recolhe elementos

  • ECO
  • 27 Fevereiro 2017

Após a recolha, o Ministério Público poderá decidir abrir um inquérito às transferências para paraísos fiscais que não foram alvo de controlo pela Autoridade Tributária.

O Ministério Público recolhe elementos para “apurar se existem ou não procedimentos a desencadear no âmbito das respetivas competências” no caso dos dez mil milhões de euros que foram transferidos para paraísos fiscais entre 2011 e 2014 sem serem fiscalizados pela Autoridade Tributária, segundo disse ao Público o gabinete de imprensa da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Após ter recolhido elementos acerca da questão, o Ministério Público tomará a decisão sobre se pretende ou não abrir um inquérito. A PGR não esclareceu, acrescenta o Público, se recebera alguma participação acerca deste assunto.

Esta quarta-feira o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, e o seu antecessor Paulo Núncio vão ser ouvidos no Parlamento acerca do caso das transferências que não foram fiscalizadas. Paulo Núncio já assumiu “responsabilidade política” na questão, tendo optado por retirar-se das suas responsabilidades nacionais no CDS-PP.

O caso refere-se à revelação feita pelo Público na semana passada de que dez mil milhões de euros terão sido transferidos para jurisdições offshore sem terem sido vigiados pela Autoridade Tributária, em vinte transferências realizadas enquanto Paulo Núncio era secretário de Estado. No debate quinzenal da semana passada, Pedro Passos Coelho e Assunção Cristas, figuras-chave do anterior Executivo, afirmaram querer aprofundar e investigar tudo o que se teria passado, embora o ex-primeiro-ministro tenha descartado responsabilidades: “Nunca tive conhecimento de qualquer situação destas. Hoje, na oposição, sou o primeiro interessado em que se apure exatamente tudo o que se passou”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

‘Offshores’: Ministério Público recolhe elementos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião