Petróleo mais caro. OPEP quer 60 dólares

O petróleo tem vindo a valorizar perante o corte de produção por parte do maior cartel do mundo. Está acima dos 55 dólares, mas a OPEP quer mais. 60 dólares é a meta.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) está a cumprir à risca o plano de corte de produção delineado no final do ano passado. Os preços do petróleo estão a subir, mas o cartel quer mais. A meta é a de que as cotações cheguem aos 60 dólares nos mercados internacionais.

Desde que foi fechado o acordo para o corte da oferta, que está a ser cumprido, ao contrário do que aconteceu no passado, as cotações da matéria-prima registaram valorizações em torno de 15%. O Brent, em Londres, está nos 55,81 dólares e o WTI, em Nova Iorque, está a 53,93 dólares, mas há margem para que suba mais.

A ideia dos países membros do cartel é de que as cotações subam para um valor em torno dos 60 dólares. A Reuters diz, citando fontes próximas, que é esse o objetivo de pesos pesados da OPEP. Porquê este valor? Acreditam que é um patamar que lhes permite obter a receita necessária sem que leve a um crescimento da oferta de petróleo de xisto nos EUA.

Com os preços altos, acima dos 100 dólares, a produção de petróleo nos EUA disparou. Numa altura em que a procura era fraca, com o petróleo de xisto, mas também a recusa da OPEP em cortar a oferta, a inundação do mercado petrolífero levou as cotações a afundarem para valores abaixo dos 30 dólares. Várias empresas norte-americanas acabaram por falir.

Passada essa fase, a OPEP finalmente cortou a oferta, o que puxou pelas cotações da matéria-prima. Contudo, uma subida expressiva dos preços do petróleo pode voltar a puxar pela produção norte-americana, o que os países do cartel não querem que volte a acontecer, até porque pretendem manter o estatuto neste mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo mais caro. OPEP quer 60 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião