Segurança Social: Recibos verdes podem pedir mudança de escalão até hoje

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 28 Fevereiro 2017

Próxima oportunidade para pedir alterações no nível de descontos para a Segurança Social ocorre em junho.

Termina hoje o prazo para os “recibos verdes” pedirem à Segurança Social alterações no escalão contributivo em que estão integrados. Se é trabalhador independente e não está isento de contribuir, tem agora oportunidade para subir ou descer de escalão, descontando mais ou menos face ao valor que foi fixado no final do ano passado. Mas há regras a ter em conta.

Quem já pediu, por exemplo, para recuar dois escalões no final do ano passado, não pode agora descer desse patamar — mas pode subir. E quem já estava no primeiro escalão (ou segundo, no caso de trabalhador independente com contabilidade organizada), também não pode ficar abaixo desse nível.

A lei admite que os trabalhadores independentes subam ou desçam até dois escalões contributivos face ao valor comunicado pela Segurança Social, uma alteração que pode ser feita em três momentos distintos: no final do ano, quando os serviços notificam os contribuintes do escalão em que estarão inseridos nos 12 meses seguintes, e depois em fevereiro e em junho. Portanto, para quem já tinha “recibos verdes” em novembro do ano passado, esta já é a segunda oportunidade para mexer no nível de descontos; para quem reiniciou atividade a partir daquele mês, é a primeira.

As alterações — pedidas entre 16 e 28 de fevereiro através da Segurança Social Direta ou dos serviços de atendimentos — produzem efeitos a 1 de março.

Exemplos

No seu site, a Segurança Social dá conta de alguns exemplos, consoante estejam em causa contribuintes que iniciaram atividade antes ou depois de novembro de 2016 ou trabalhadores com contabilidade organizada:

  • “Se o Trabalhador Independente foi notificado da base de incidência contributiva pelo 6.º escalão, pode, em fevereiro, escolher entre o 4.º, 5.º, 7.º ou 8.º escalão. Contudo, caso já tenha solicitado, no prazo que lhe foi estabelecido na notificação da fixação da base de incidência contributiva, a alteração de escalão para o 5.º escalão, pode escolher novamente, em fevereiro, o 4.º, 6.º, 7.º ou o 8.º escalão”.
  • “Se o trabalhador independente reiniciou atividade após novembro último e foi-lhe fixado o 4.º escalão, pode, em fevereiro, escolher entre o 2.º, 3.º, 5.º ou 6.º escalão”.
  • “Se o rendimento relevante apurado pelo valor do lucro tributável [caso de trabalhador com contabilidade organizada] fixar como base de incidência contributiva o 3.º escalão, o trabalhador independente pode escolher entre o 2.º, 4.º ou o 5.º escalão. Não pode escolher abaixo do 2.º escalão. Contudo, caso o trabalhador independente abrangido pelo regime de contabilidade organizada já tenha solicitado, no prazo que lhe foi estabelecido na notificação da fixação da base de incidência contributiva, a alteração de escalão para o 2.º escalão, em fevereiro, pode escolher apenas o 3.º, 4.º ou o 5.º escalão”.

O Governo conta alterar o regime contributivo dos trabalhadores independentes ainda em 2017 e já indicou que não é de esperar que, no final deste ano, haja um novo reposicionamento em escalões contributivos ao abrigo das normas ainda em vigor.

Este reposicionamento é atualmente feito com base na informação apresentada pelos trabalhadores independentes no anexo SS, entregue em conjunto com a declaração de IRS. Enquanto o regime não muda, os trabalhadores independentes continuam a ter de entregar o anexo SS, confirmou já o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social ao ECO.

Até porque este anexo também permite identificar as entidades contratantes, responsáveis por 80% ou mais dos rendimentos de um trabalhador independente e, por isso, sujeitas a um desconto de 5% e a fiscalização. Mas a par do regime contributivo dos independentes, também o regime das entidades contratantes será revisto, a avaliar pela autorização legislativa prevista no Orçamento do Estado para 2017.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Segurança Social: Recibos verdes podem pedir mudança de escalão até hoje

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião