Dinamarca pode vir a criar centros de emprego em Espanha, França e Itália

  • ECO
  • 1 Março 2017

A iniciativa é do partido social-democrata, a principal força na oposição ao governo dinamarquês, e inclui-se no plano de aproveitamento da fase próspera que a economia do país está a atravessar.

É espanhol, francês ou italiano e quer ir trabalhar para a Dinamarca? Há uma boa notícia: pode vir a ser mais fácil, porque um partido dinamarquês está a propor ao governo a hipótese de abrir centros de emprego nesses países. A iniciativa do principal partido da oposição ao governo dinamarquês tem como objetivo encontrar profissionais altamente qualificados para setores que tenham uma ocupação muito baixa no país nórdico, como o da engenharia.

A proposta vem, assim, unir o útil ao necessário: a taxa de desemprego nos países do sul da Europa ainda é muito elevada, pelo que há muita mão-de-obra que não está a ser aproveitada, e a Dinamarca está a atravessar uma época de prosperidade económica e tem necessidade de contratar trabalhadores para várias áreas.

“Preferimos que pessoas com altas qualificações dentro da União Europeia tenham acesso ao mercado de trabalho dinamarquês do que virem para cá pessoas de países do Terceiro Mundo como o Paquistão ou a Índia“, pode ler-se na proposta do partido citada pelo “ABC”, de Espanha.

Mas, por agora, o Ministro do Emprego, o liberal Troels Lund Poulsen, recusou a ideia por a considerar pouco prática e capaz de trazer problemas burocráticos. O ultraconservador Partido Popular da Dinamarca, no qual o governo tem um apoiante externo, também criticou a iniciativa. Há que esperar para ver se a iniciativa vai para a frente e se Portugal passa entretanto a ser abrangido por ela.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dinamarca pode vir a criar centros de emprego em Espanha, França e Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião