Desemprego na Zona Euro inalterado em janeiro

Ao todo, havia 19,9 milhões de pessoas desempregadas na União Europeia, em janeiro, das quais 15,6 milhões apenas na Zona Euro. Desemprego está no nível mais baixo desde 2009.

A taxa de desemprego da Zona Euro fixou-se nos 9,6% em janeiro, o mesmo valor que foi registado em dezembro. O desemprego mantém-se, assim, no nível mais baixo desde maio de 2009. Portugal mantém a tendência de queda, mas continua a ser o país com a quinta taxa de desemprego mais elevada da Zona Euro.

Enquanto entre os países que partilham a moeda única houve uma estagnação da taxa, no conjunto da União Europeia, a taxa de desemprego caiu para 8,1% em janeiro, depois dos 8,2% registados em dezembro. Recuou, assim, para o nível mais baixo desde janeiro de 2009.

Feitas as contas, segundo os dados divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat, havia, em janeiro, 19,9 milhões de pessoas desempregadas na União Europeia, das quais 15,6 milhões apenas na Zona Euro.

Portugal continua com os níveis mais altos

Portugal tem vindo a baixar sucessivamente a taxa de desemprego e, em janeiro, esta deverá fixar-se em 10,2%, o mesmo que em dezembro. Contudo, as melhorias não são suficientes para retirar o país do grupo mais preocupante da Zona Euro, no que toca a emprego.

Em janeiro, Portugal apresentou a quinta taxa de desemprego mais elevada da zona euro. Pior, só Grécia (23%), Espanha (18,2%), Chipre (14,1%) e Itália (11,9%). Do outro lado, o das taxas mais baixas, a Alemanha está à cabeça (com 3,8%), seguida por Malta (4,4%), Países Baixos (5,3%) e Áustria (5,7%).

Desemprego jovem cai

A taxa de desemprego entre os jovens caiu em janeiro, passando de 20,3% para 20% na Zona Euro. Já na União Europeia, a taxa caiu de 18,1% para 17,7%. Ao todo, havia pouco mais de quatro milhões de jovens desempregados na União Europeia, dos quais 2,82 milhões apenas na Zona Euro.

Portugal surge novamente entre os países com uma das taxas mais elevada. Os dados do Eurostat apontam para uma taxa de 25,7%, ou seja, para que um em cada jovens com idades até aos 25 anos esteja desempregado.

(Notícia atualizada às 10h23 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego na Zona Euro inalterado em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião