PSD acusa PS de estar a brincar com o Parlamento

  • Lusa
  • 3 Março 2017

O PSD acusou hoje o PS de "brincar" com o Parlamento ao tentar proibir a utilização da troca de correspondência entre o ministro das Finanças e o ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos.

O PSD acusou hoje o PS de “brincar” com o Parlamento ao tentar proibir a utilização da troca de correspondência entre o ministro das Finanças e o ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) António Domingues.

Esta posição foi assumida pelo vice-presidente da bancada social-democrata Hugo Soares, depois de o PS ter defendido a tese de que a troca de correspondência entre o ministro Mário Centeno e António Domingues pode ser consultada por todos os deputados dos grupos parlamentares representados na comissão de inquérito, embora esteja fora do objeto dos trabalhos. Ou seja, para o PS, essa troca de correspondência pode ser consultada pelos deputados, mas não pode ser divulgada publicamente e utilizada politicamente.

"A CGD é um tema demasiado sério para ser sujeito às brincadeiras do PS. Por parte do PSD, não há qualquer dúvida de que os documentos fazem parte do espólio da comissão parlamentar de inquérito”

Hugo Soares

vice-presidente da bancada social-democrata

“A CGD é um tema demasiado sério para ser sujeito às brincadeiras do PS. Por parte do PSD, não há qualquer dúvida de que os documentos fazem parte do espólio da comissão parlamentar de inquérito”, contrapôs o vice-presidente da bancada social-democrata. De acordo com Hugo Soares, o que se passou na quinta-feira na reunião da comissão parlamentar de inquérito sobre a CGD foi “claro e cristalino”.

“Foi não só aprovada a admissibilidade dos documentos enviados por António Domingues, como também a sua distribuição por todos os deputados que compõem a comissão”, sustentou. Para o vice-presidente da bancada do PSD, neste passo, no âmbito da comissão parlamentar de inquérito sobre a CGD, o PS “foi provavelmente apanhado de surpresa”, depois de “uma maldade que o PCP quis fazer a Mário Centeno e aos socialistas”.

“Talvez se esteja perante uma pequena vingança dentro da geringonça [partidos que suportam o atual Governo], mas isso é um problema entre eles”, frisou Hugo Soares. Ainda para refutar a posição dos socialistas, o dirigente do grupo parlamentar do PSD salientou que “não há documentos distribuídos numa comissão de inquérito sem serem admitidos”. “É assim em qualquer lado do mundo”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD acusa PS de estar a brincar com o Parlamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião