Brexit “empurra” irlandeses para Portugal

Metalurgia está a atrair a atenção de investidores internacionais. Para além dos franceses que se instalam em Portugal devido à atractividade fiscal, o Brexit põe Portugal na mira dos irlandeses.

A indústria campeã nacional das exportações tem vindo nos últimos anos a atrair investimento estrangeiro. Primeiro foram os franceses — devido à atratividade fiscal — agora é a vez dos irlandeses a estarem de olho em Portugal. Brexit poderá estar a dar uma ajuda.

Gonçalo Lobo Xavier, assessor da direção da AIMMAP, adianta em declarações ao ECO que “estamos a assistir a um fenómeno interessante, não podemos dizer que seja um efeito do Brexit, mas o que constatamos é que estão a aparecer empresas irlandesas com negócios no Reino Unido”.

"Muitas destas empresas querem fazer parcerias com empresas portuguesas de modo a levarem por diante as grandes infraestruturas que têm pela frente, um interesse que surge essencialmente por Portugal ter bons players na área das estruturas metálicas.”

Gonçalo Lobo Xavier

Assessor da direção da AIMMAP

Lobo Xavier explica que “muitas destas empresas querem fazer parcerias com empresas portuguesas de modo a levarem por diante as grandes infraestruturas que têm pela frente, um interesse que surge essencialmente por Portugal ter bons players na área das estruturas metálicas”.

De resto, a Irlanda está ainda a captar a atenção das empresas portuguesas, tanto que a AIMMAP vai já na terceira missão para aquele mercado.

Estes movimentos acontecem numa altura em que os indianos da Sakhti, que já tinham uma empresa na Maia, investiram mais 37,5 milhões de euros para produzir peças metálicas para automóveis.

Gonçalo Lobo Xavier adianta ainda que “há já muitas empresas francesas que devido à atratividade fiscal se estão a deslocalizar para Portugal, nomeadamente para a cidade da Maia e também devido à qualidade da nossa mão-de-obra”.

A AIMMAP não tem contudo dados para apresentar sobre estes investimentos estrangeiros mais recentes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit “empurra” irlandeses para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião