Ministro da Economia destaca potencial de crescimento dos metalúrgicos

Decorre em Paris a maior feira de subcontratação industrial do mundo. Portugal faz-se representar por 88 empresas, naquela que é a maior representação portuguesa de sempre.

O ministro da Economia destacou esta quarta-feira o grande dinamismo do setor metalúrgico e metalomecânico que se pode repercutir no aumento das exportações, que atualmente já se cifram nos 15 mil milhões de euros. Manuel Caldeira Cabral, que está em Paris a visitar a MIDEST, maior feira mundial de subcontratação industrial — e onde estão presente 88 empresas nacionais, naquela que é a maior representação portuguesa de sempre –, adiantou, em declarações ao ECO, que “este setor é um dos principais setores exportadores nacionais” O que levo daqui é que estão a tentar crescer e a reforçar a sua presença nos mercados internacionais”, garantiu.

Caldeira Cabral frisou que “esta enorme presença em Paris das empresas portuguesas, com a maior comitiva de sempre, demonstra o grande potencial do setor que já exporta 15 mil milhões de euros”. O ministro destacou ainda que o setor da subcontratação industrial é responsável por um volume de negócios de 6 mil milhões de euros, sendo que metade desta valor é para exportações diretas.

"Esta enorme presença em Paris das empresas portuguesas, com a maior comitiva de sempre, demonstra o grande potencial do setor que já exporta 15 mil milhões de euros.”

Manuel Caldeira Cabral

Ministro da Economia

Caldeira Cabral destacou o facto de “muitas destas empresas estarem aqui pela primeira vez levam-nos a crer que as exportações do setor poderão aumentar”. O ministro salientou ainda a “procura por parte dos empresários por novos mercados”, não querendo deixar de registar ” o forte crescimento que as exportações registam em mercados como a França e a Alemanha”.

O ministro fez ainda questão de salientar a atenção que o setor tem dado à Indústria 4.0, tendo já processos de inovação, investigação e mão-de-obra qualificada que poderão implicar um crescimento das exportações.

“Muitas destas empresas estão a desenvolver projetos de investimento com base no incremento da inovação e de melhores tecnologias”, adiantou, acrescentando que “é um setor que, em Portugal, se afirma cada vez mais, tem boa engenharia, é muito competitivo e tem capacidade de resposta rápida em tempos curtos”.

Os empresários presentes na feira viram com bons olhos a deslocação do ministro ao evento uma vez que é visto como um sinal de apoio “a um setor que é forte mas relativamente desconhecido dos portugueses”.

Já a AIMMAP, associação do setor, afirma que a presença na maior feira do mundo de subcontratação visa “fortalecer a imagem das empresas de subcontratação industrial, produtoras essencialmente de peças técnicas com elevada engenharia e inovação para diversos setores, como o automóvel, a aeronáutica, ou a energia nuclear”.

Rafael Campos Pereira, vice-presidente da AIMMAP, adianta em comunicado que a associação em conjunto com as empresas associadas “tem trabalhado no sentido de promover este segmento na Europa e no Mundo, resultando numa clara mudança de perceção dos clientes relativamente à qualidade da produção industrial do país”. Campos Pereira refere que “Portugal tem-se posicionado cada vez mais, como um player global que se destaca no mercado devido à capacidade de produção de pequenas séries de alto valor acrescentado”.

"Tem trabalhado no sentido de promover este segmento na Europa e no Mundo, resultando numa clara mudança de perceção dos clientes relativamente à qualidade da produção industrial do país.”

Rafael Campos Pereira

Vice-presidente da AIMMAP

Para facilitar a divulgação e promoção do metal português, foi criada a marca METAL PORTUGAL que está presente na feira.

O subcontratação industrial em Portugal que, segundo dados do INE, é responsável por um volume de faturação de 6 mil milhões de euros — com 3 mil milhões de euros destinados às exportações –, caracteriza-se ainda por empresas de alto valor acrescentado, fortemente inovadoras e com uma incorporação de engenhara de alta qualidade em todo o processo industrial.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro da Economia destaca potencial de crescimento dos metalúrgicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião