UE multa “cartel” da Euribor em 485 milhões

  • Marta Santos Silva
  • 7 Dezembro 2016

O JPMorgan, o HSBC e o Credit Agricole são os alvos da multa por terem manipulado a Euribor. A investigação durou cinco anos.

No que é o culminar de cinco anos de investigação, a entidade reguladora da União Europeia multou o JPMorgan Chase, o HSBC e o Credit Agricole em 485,5 milhões de euros no total, por terem participado num cartel de sete bancos para manipular a Euribor.

A multa anunciada esta quarta-feira pela Comissão Europeia divide-se em 114,7 milhões de euros ao Credit Agricole, 337,2 milhões ao JPMorgan Chase e 33,6 milhões ao HSBCE.

“Os bancos têm de respeitar as regras da concorrência na União Europeia tal como todas as outras empresas que operam no mercado único”, disse a comissária europeia Margrethe Vestager, citada pela Bloomberg.

O Barclays foi o autor do alerta para o cartel na Comissão Europeia, enquanto o Deutsche Bank, o RBS e o Société Générale já tinham admitido serem culpados em dezembro de 2013. Os três bancos para quem as multas chegam agora não aceitaram participar no acordo de dezembro de 2013, tendo atrasado o processo mais três anos.

Os sete bancos tinham atuado em conluio, entre setembro de 2005 e maio de 2008, para manipular a taxa Euribor, associada ao euro, que é a taxa de base para futuros de taxas de juros e também usada como referência nos juros de alguns empréstimos hipotecários ou de contas poupança, de acordo com o que lhes era mais favorável. Faziam-no partilhando informação sensível por telefone ou por conversas online.

Nos últimos quatro anos, foram imputados a bancos pelos reguladores de vários países mais de nove mil milhões de dólares em multas, por terem manipulado a taxa londrina Libor e a europeia Euribor. Mais de 20 corretores foram acusados de terem responsabilidades nesta manipulação, mas apenas um foi condenado a pena de prisão: o britânico Tom Hayes, que cumpre 11 anos de pena por ter participado na manipulação da Libor.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE multa “cartel” da Euribor em 485 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião