Offshores. Louçã não acredita que Maria Luís e Vítor Gaspar não soubessem

  • ECO
  • 5 Março 2017

Francisco Louçã, antigo líder do Bloco, não acredita que Maria Luís, Vítor Gaspar e Passos Coelho não tivessem conhecimento do dinheiro enviado para os offshores.

O antigo líder do Bloco de Esquerda não acredita que Maria Luís Albuquerque, Vítor Gaspar e Passos Coelho não tivessem conhecimento do dinheiro enviado para os paraísos fiscais, sobretudo sabendo-se que parte do dinheiro era proveniente do BES.

Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios no programa “Conversa Capital”, Francisco Louçã diz mesmo que a ex-ministra das Finanças só tem uma defesa possível: “declarar-se incompetente”.

A propósito dos acordos entre o PS e a Esquerda, Louçã afirma que estes ainda não estão esgotados, mas sugere que os novos entendimentos sejam feitos anualmente à volta de cada Orçamento de Estado.

Francisco Louçã adianta que há matérias como o salário mínimo e a alteração dos escalões do IRS que ainda estão por resolver. O economista frisa ainda que há dois dossiers muito difíceis, o Novo Banco e as leis laborais, onde “a negociação não é evidente”.

Na mesma entrevista o economista defende a continuidade de Mário Centeno no Governo. “Precisamos de ter coerência política e ministros que nós sabemos que estão a respeitar o seu contrato com o país“, refere. Louçã admite contudo que o ministro das Finanças foi atingido pelo facto de “ter feito um acordo errado com António Domingues”.

Sobre o banco público, o ex-líder do Bloco considera que o plano de recapitalização é errado e admite que é mau para o Estado, para os contribuintes e para o sistema financeiro. O antigo líder do Bloco adianta ainda que o setor de seguros que foi vendido à Fosun dava “dividendos ao Estado e diminuía os impostos que temos que pagar”.

"Obrigar a Caixa a diminuir as suas operações é dar continuidade à pressão sobre a Caixa. A CGD deu 30% do seu negócio quando foi obrigada a privatizar, a vender o seu setor de seguros. Qual é a razão para a Caixa vender um setor que era lucrativo?”

Francisco Louçã

Ex- líder do Bloco de Esquerda

“Obrigar a Caixa a diminuir as suas operações é dar continuidade à pressão sobre a Caixa. A CGD deu 30% do seu negócio quando foi obrigada a privatizar, a vender o seu setor de seguros. Qual é a razão para a Caixa vender um setor que era lucrativo?”, refere.

Críticas ao Banco de Portugal

Depois das críticas da atual líder do BE, é agora a vez de Louçã que também criticar o Governador do Banco de Portugal. Mas ao contrário de Catarina Martins, Louçã não pede a saída de Carlos Costa dado que a opção do Governo foi mantê-lo.”Disse e continuarei a dizer o que penso sobre os fracassos do Banco de Portugal”.

Louçã foi recentemente designado para o conselho consultivo do Banco de Portugal, um órgão que diz não tem grande relevância e justifica a sua aceitação com a necessidade de dar o seu contributo para a credibilidade do sistema financeiro.

 

 

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshores. Louçã não acredita que Maria Luís e Vítor Gaspar não soubessem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião