Louçã escreve carta a Costa: Novo Banco “deve integrar a banca pública”

O economista diz que os fundos de investimento que querem comprar o Novo Banco "procurarão utilizar as garantias do Estado e os créditos fiscais, pedir novos empréstimos e retirar capitais do banco.

A venda do Novo Banco a qualquer um dos fundos que ainda estão na corrida — o fundo Lone Star e o consórcio Apollo/Centerbridge, agora com o reforço da família Violasé uma má solução. É isso que defende Francisco Louçã, numa carta enviada a António Costa e num artigo de opinião publicado no Público, onde pede que o banco que resultou da resolução do Banco Espírito Santo (BES) seja tornado público.

Para o economista e Conselheiro de Estado, a única “virtude clarificadora” da solução de Sérgio Monteiro, que está a liderar o processo de venda do Novo Banco, é “a anuência do PSD e CDS”. De resto, a “solução Monteiro” é má por três razões:

  1. “Os potenciais compradores são flibusteiros, ou aventureiros provados no mar alto da finança”, escreve Louçã. Veja-se, aponta, o fundo texano Lone Star, que foi criado na crise dos anos 1990 e que cresceu a comprar propriedade imobiliária e empresas em dificuldades. “O seu negócio é a dívida e a destruição de empresas ou a sua venda a curto prazo”. Já a Apollo e o Centerbridge juntam “fundos de pensões ou outros investidores para comprar dívida e conseguirem rentabilidades de curto prazo”.
  2. Estes fundos fazem investimentos de curto prazo que esperam ver imediatamente ressarcidos, pelo que ficam ameaçados o banco e os clientes. “Ao comprarem o Novo Banco (…), estes fundos procurarão utilizar as garantias do Estado e os créditos fiscais, pedir novos empréstimos e retirar capitais do banco, espremendo também os créditos em curso na economia nacional para aumentarem as taxas de retorno”.
  3. Por fim, a venda do Novo Banco terá um custo sobre o défice. “O imediato, a contabilidade das contra-garantias, e o mediato, a perda fiscal ao longo dos anos”.

Francisco Louçã conclui frisando que “a solução Monteiro tem de ser evitada“, até porque “há alternativas a este caríssimo ultimato quarta-feirista” — leia-se, tornar o Novo Banco em instituição pública.

O economista sublinha que o banco “deve ser mantido como entidade separada e não incluída na CGD, mas deve integrar a banca pública para uma recapitalização ponderada ao longo do tempo e para uma gestão virada para o crédito que estimule a economia”. E deixa a promessa: “sobre os detalhes desse plano voltarei a escrever em breve”.

O apelo de Francisco Louçã é feito no mesmo dia em que o Diário de Notícias e a TSF publicam uma entrevista a Mário Centeno, onde o ministro das Finanças não descarta nenhum cenário — nem mesmo integrar o Novo Banco na esfera pública.

“Nada está fora de questão quando se trata de garantir a estabilidade do sistema financeiro”, disse. E acrescentou: “Não acho que seja adequado eliminar nenhum tipo de abordagem em relação ao Novo Banco”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Louçã escreve carta a Costa: Novo Banco “deve integrar a banca pública”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião