Grupo PSA passa a número dois após compra da Opel

  • Lusa
  • 6 Março 2017

A compra da Opel por parte da PSA Peugeot Citroën vai catapultar o grupo francês para número dois no setor automóvel europeu. Mas também há ativos com défice crónico à mistura.

A compra da Opel/Vauxhall à General Motors (GM) dá ao grupo PSA Peugeot Citroën o estatuto de número dois do setor automóvel europeu, mas também ativos com défice crónico desde o início do século.

Um dos objetivos para 2020 é que a subsidiária da GM saia do vermelho, após somar 15 mil milhões de dólares (14,1 mil milhões de euros) de perdas acumuladas nos últimos 16 anos, apesar da redução nos últimos anos: 257 milhões de dólares (242 milhões de euros) em 2016 depois de 813 milhões de dólares (768 milhões de euros) em 2015.

Com o negócio que dá a prata ao grupo liderado pelo português Carlos Tavares (com 2,95 milhões de veículos vendidos em 2016), atrás da Volkswagen (3,91 milhões), chega ao fim quase 90 anos de presença industrial do gigante norte-americano GM na Europa. O negócio formalizado hoje envolveu 1,3 mil milhões de euros pela compra da subsidiária da GM e 900 milhões de euros para garantir as operações financeiras da GM.

A nível das atividades financeiras, o capital social das sociedades financeiras cativas da Opel/Vauxhall será dividido entre Banque PSA Finance e o BNP Paribas Personal Finance, que passam a responder a necessidades de 1.800 concessionários de 11 países europeus.

Os ativos em circulação, no final de 2016, geraram cerca de 9,6 mil milhões de euros, dos quais cerca de 5,8 mil milhões são financiados por depósitos ou securitizações (titularizações). Prevê-se que a transação esteja concluída no quarto trimestre de 2017, estando sujeita às habituais aprovações por parte das leis da concorrência e outras exigências legais

Na conferência de imprensa de anúncio do negócio, Carlos Tavares garantiu a manutenção da identidade de cada marca, dado o interesse de clientes em adquirirem viaturas alemãs e francesas. O responsável afirmou a intenção de manter Karl-Thomas Neumann na liderança da Opel e que não é objetivo reduzir o número de trabalhadores.

Carlos Tavares garantiu que respeitará os acordos existentes, em particular com os sindicatos sobre a garantia de emprego. Em Portugal, o grupo francês PSA tem uma fábrica em Mangualde, onde a produção de um novo modelo deverá criar uma terceira equipa de trabalhadores em 2019, que poderá incluir entre 250 a 300 pessoas, disse o diretor da unidade, José Maria Castro Covello, numa entrevista à Lusa em 13 de fevereiro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo PSA passa a número dois após compra da Opel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião