Ex-executivos da Tesla constroem fábrica de baterias

  • Juliana Nogueira Santos
  • 7 Março 2017

Peter Carlsson e Paolo Cerruti vão investir quatro mil milhões de dólares para construir uma fábrica de baterias na Escandinávia. O alvo a abater não é a Tesla.

Dois antigos administradores da fabricante de automóveis elétricos Tesla querem instalar uma fábrica de baterias de iões de lítio no norte da Europa. A sua nova empresa, a Northvolt, prevê ter uma das maiores fábricas do mundo com um investimento de quatro mil milhões de dólares.

Peter Carlsson e Paolo Cerruti ocuparam lugares de administração na Tesla até há pouco tempo e querem lutar contra o monopólio asiático que se está a formar nesta área de negócio. “Se ninguém fizer nada, a Europa vai ficar totalmente dependente da oferta asiática. A Europa tem oportunidade de agir pela sua independência energética. É agora ou nunca”, afirmou Carlsson em declarações ao Financial Times (acesso condicionado).

O objetivo, bem explícito no site que mostra uma contagem decrescente para primeira bateria produzida, é começar a produção em 2020 e contabilizar 32 gigawatts hora de produção anual em 2023. No relógio contam-se 1.303 dias.

A escolha da localização da fábrica não é ao acaso, sendo que a Escandinávia é rica em minerais necessários à produção das baterias e conta com várias fontes de energia limpa. Portugal alberga importantes explorações mineiras de lítio, um elemento essencial na produção das baterias dos carros elétricos. Esse tem sido o argumento para tentar atrair a fábrica da Tesla na Europa.

Ao contrário do que se possa pensar, a Northvolt não se quer assumir como uma concorrente da Tesla, visto que esta produz apenas para os seus carros. Ainda assim, Carlsson e Cerruti querem reduzir em metade o custo do quilowatt hora.

No site da empresa, ainda com o nome antigo de SGF Energie, podem ver-se vários anúncios de vagas, nomeadamente para as posições de chefe de departamento técnico e gestor de comunicação e relações públicas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-executivos da Tesla constroem fábrica de baterias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião