Partner com mais energia? Agora é elétrico

A Peugeot acrescentou mais um modelo à lista de automóveis totalmente elétricos. Depois do iOn, e do Partner, agora é a vez do Partner Tepee ficar ligado à corrente. Tem autonomia para 170 km.

O Peugeot Partner não é um estranho para quem anda na estrada no dia-a-dia. E fazem todos o mesmo barulho… do motor a gasóleo. Mas isso vai mudar. É que a marca francesa está prestes a apresentar a versão elétrica. O Partner Tepee Electric, que chegará ao mercado mais perto do final do ano, promete a mesma habitabilidade, mas com o silêncio deste novo sistema de propulsão. As baterias prometem uma autonomia de 170 km.

O interior modulável é o mesmo que existe no modelo atual. A capacidade de carga até 3.000 litros também. A diferença está no motor que carrega tanto pessoas com os volumes que se põem no interior. Em vez do 1.6 a gasóleo, o Partner Tepee contará com um motor elétrico de 67 cv sob o capot. É alimentado por dois packs de baterias de iões de lítio colocados no fundo da viatura.

A Peugeot, que vai apresentar a novidade no Salão de Genebra, antecipando que a comercialização arranque em setembro, refere que com as baterias na máxima carga, o Tepee vai apresentar “uma autonomia de 170 km no ciclo europeu (NEDC) e reúne um conjunto de funções para otimizar essa autonomia numa utilização em condições reais”, nomeadamente através do aproveitamento da energia das travagens.

Os 170 km não dão para grandes viagens, mas asseguram as necessidades do dia-a-dia de muitas famílias. E quando as baterias acabarem, haverá duas formas de as recarregar: numa tomada doméstica clássica, que será feita em 8h30, 12h00 ou 15h00, consoante a amperagem da tomada; ou numa ficha CHAdeMO que garante 80% da capacidade em apenas 30 minutos. A garantia das baterias é de oito anos ou 100 mil km.

Controlado à distância

O Partner Tepee Electric terá um motor elétrico para se mover, mas também para entreter quem vai a bordo. A Peugeot aposta num grande touchscreen a cores de sete polegadas perfeitamente integrado, ao centro do painel de bordo, sendo que este terá tanto Bluetooth, como entradas USB e AUX, além da função MirrorScreen. Ou seja, poderá utilizar o touchscreen para replicar o ecrã do smartphone, seja Apple ou Android.

Bastará também um smartphone, com uma aplicação da marca, para interagir com o automóvel. A Peugeot diz que será possível, à distância, programar o aquecimento ou a climatização do habitáculo, o ideal para arrefecer o interior nos dias de calor. Mas também será possível ficar a conhecer o estado da carga da bateria, bem como estimar a duração da sua recarga.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partner com mais energia? Agora é elétrico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião