Receitas da PT Portugal recuam. EBITDA acelera

As receitas da dona da Meo voltaram a cair em 2016, mas a derrapagem foi menor do que no ano anterior. Cresceram entre outubro e dezembro, algo que não acontecia há muito, muito tempo.

As receitas da PT Portugal voltaram a cair em 2016, embora menos do que em 2015. A dona da Meo registou um crescimento homólogo das receitas no quarto trimestre, algo que não acontecia há 32 trimestres consecutivos, travando a quebra nas receitas totais. E o EBITDA subiu, superando a fasquia dos mil milhões de euros.

Em 2016, a Altice gerou menos receitas em Portugal do que no ano anterior. A Altice, que detém a PT Portugal e a Meo, gerou 2.311 milhões de euros de receitas em 2016, contra os 2.347 milhões gerados em 2015. Trata-se de uma quebra de 1,5% que, ainda assim, contrasta com os 7,3% de quebra verificada em cadeia em 2015.

Olhando para o período entre outubro e dezembro, as receitas da PT Portugal cresceram 0,5% em termos homólogos. O montante foi de 580 milhões de euros, um número “suportado numa melhoria sustentada de todos os segmentos de negócio”, indica a empresa. A firma aponta o dedo a um “impacto regulatório” que terá impedido um crescimento homólogo trimestral ainda maior. Assim, excluindo a descida das terminações móveis imposta pela Anacom, as receitas teriam aumentado 1,3%, estima a companhia.

Para Paulo Neves, chairman e presidente executivo da PT Portugal, estes são resultados que “mostram uma clara inversão na tendência de queda de receitas” e provam que “a estratégia adotada pela Altice permitiu à PT retomar o caminho do crescimento”.

"Foi um ano de consolidação para o grupo Altice, que se afirma hoje como uma multinacional líder, convergente em telecomunicações e media.”

Paulo Neves

Presidente e CEO da PT Portugal

O EBITDA anual (isto é, os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) cresceu 11,6% e situou-se nos 1,079 milhões de euros, passando a barreira dos mil milhões. A margem subiu de 41,2% para 47,4%. O EBITDA trimestral também cresceu, de 245,9 milhões para 260,7 milhões de euros.

 

Em relação ao investimento, o CAPEX ajustado prendeu-se nos 399 milhões de euros, um crescimento de 20,5% face a 2015. A empresa manteve a aposta na expansão da rede de fibra ótica no país e na requalificação da rede móvel, em que a tecnologia 4G tem já “uma cobertura de 93%” do território nacional, garante a firma.

De referir, por fim, que o peso dos contratos de aquisição de direitos desportivos já se está a refletir nas contas da PT Portugal. Em 2016, esses contratos de transmissão televisiva custaram à empresa 44 milhões de euros.

(Notícia atualizada às 19h07 com mais informação)

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Receitas da PT Portugal recuam. EBITDA acelera

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião