Se é impossível, há um laboratório para tornar possível

Kwame Ferreira decidiu juntar os amigos para "resolver problemas". Agora, tem uma empresa que tanto desenvolve tecnologia para empresas como a Google, como desenvolve produtos com impacto social.

Um coletivo que resolve os problemas de grandes empresas com inovação e tecnologia percebe que partilha a mesma visão de uma rede social altruísta. As duas decidem juntar-se e nasce um laboratório de problemas impossíveis tornados em soluções possíveis.

Esta é a história da Impossible Labs, que nasce da união da KwameCorp, fundada pelo português Kwame Ferreira, com a Impossible, a plataforma de economia social fundada pela atriz e modelo Lily Cole.

A história começa há cinco anos, quando Kwame Ferreira decide juntar amigos para criar a KwameCorp e “resolver problemas”. Os problemas variavam. Resolveram, por exemplo, o problema que a Google tinha em mostrar a navegação dentro de edifícios. Mas também se especializaram em sistemas operativos e criaram o Fairphone, um telemóvel ético, cujos metais vêm de minas que não têm crianças soldado e que é montado em fábricas que oferecem condições aos trabalhadores.

O Fairphone é o telefone ético.D.R.

Do outro lado, está a Impossible, a rede social onde os utilizadores partilham desejos e alguém no mundo os satisfaz. “Percebemos que, juntamente com a Impossible, partilhamos uma visão de resolução de problemas através de produtos, pelo que decidimos juntar forças sob uma identidade comum”, explica Kwame Ferreira, citado em comunicado.

Kwame Ferreira é o fundador da KwameCorp, que se juntou à Impossible para criar a Impossible Labs.D.R.

Juntas, as duas dão origem a uma empresa global de engenharia e inovação mundial, que tanto fornece soluções tecnológicas para gigantes como a Google, a Samsung, a Roche ou a Intel, como desenvolve produtos e serviços digitais, com impacto social positivo.

A Impossible Labs já conta com 70 profissionais espalhados por escritórios em Lisboa, Londres, São Francisco e Brisbane (Austrália) e, mais recentemente, está a desenvolver o projeto Nikabot, um chatbot (um software de conversação que simula um ser humano) de produtividade empresarial. Agora, quer “atrair e manter talentos”: designers, engenheiros, criativos, web developers e problem solvers.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Se é impossível, há um laboratório para tornar possível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião