Tsipras alerta contra “clube fechado dos poderosos” na UE

  • Lusa
  • 13 Março 2017

O primeiro-ministro grego diz que a Europa atravessa “uma crise de orientação”. “Seria melhor falar de uma Europa com mais possibilidades de escolha em vez de uma Europa a várias velocidades”, diz.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, advertiu hoje que “um clube fechado dos poderosos” na União Europeia (UE) poderá comprometer “o acervo europeu” e provocar “eventualmente uma divisão de facto” dos 27 países-membros.

Numa altura em que a Europa atravessa “uma crise de orientação”, “seria melhor falar de uma Europa com mais possibilidades de escolha em vez de uma Europa a várias velocidades”, escreve Alexis Tsipras, num artigo publicado no diário Efimerida ton Syntaktón (esquerda).

O chefe do Governo grego responde à tendência expressa na sexta-feira na cimeira da EU, em Bruxelas, pela Alemanha e pela Franca, que defenderam a existência de uma Europa a “várias velocidades” para ultrapassar a prova da saída do Reino Unido da União (‘Brexit’).

“Minar a solidariedade entre os países-membros é um indício preocupante para a coesão europeia (…), que mostra a perda de confiança no modelo europeu”, sublinhou Tsipras.

O primeiro-ministro grego defendeu que “é preciso abandonar qualquer ideia de um ‘clube’ dos poderosos, que terá as suas regras internas próprias, (…) e de um núcleo de fora da zona euro onde os outros países serão colocados obrigatoriamente numa órbita de satélite”.

“Um modelo em que os fortes estabelecem as suas regras” e o resto segue ou sai “não pode ser aceite”, disse Tsipras.

O primeiro-ministro grego declarou-se a favor da cooperação no seio das atuais instituições.

“A cooperação na UE deve começar pelo nível de cooperação reforçada que existe. É preciso abandonar qualquer ideia de dividir as instituições atuais como a Zona Euro ou o espaço Schengen”, escreveu.

Tsipras também reivindicou um “papel destacado” para a Grécia no debate sobre o futuro da UE por ser dos países que mais sofreu com as duas crises que têm afetado a União Europeia nos últimos tempos: a económica e a dos refugiados.

O dirigente grego culpou “a austeridade e as limitações orçamentais rigorosas” por terem alargado o fosso entre as economias europeias e terem danificado “a coesão social”, tendo acusado as tendências “xenófobas” e o “euroceticismo” pela não aplicação dos compromissos alcançados em Bruxelas em relação aos refugiados.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Tsipras alerta contra “clube fechado dos poderosos” na UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião