Costa admite Europa a várias velocidades mas com Portugal “na linha da frente”

  • Lusa
  • 7 Março 2017

O líder do executivo português referiu-se aos cinco cenários constantes no Livro Branco recentemente apresentado pela Comissão Europeia sobre o futuro da União Europeia.

O primeiro-ministro admitiu esta terça-feira um modelo de Europa a várias velocidades, dizendo que “Portugal estará na linha da frente”, mas recusou lógicas de exclusão ou periferização de países e “fugas em frente” sem se consolidar o euro. Estas posições foram transmitidas por António Costa num almoço no âmbito de um seminário económico luso-francês, na Culturgest, em Lisboa, num discurso de cerca de 30 minutos que proferiu perante o ministro das Finanças e da Economia de França, Michel Sapin.

Na sua intervenção, o líder do executivo português referiu-se aos cinco cenários constantes no Livro Branco recentemente apresentado pela Comissão Europeia sobre o futuro da União Europeia, dos quais se demarcou logo da perspetiva mais minimalista de o espaço europeu se limitar a prazo a um mercado único interno.

De acordo com o primeiro-ministro, “entre o retrocesso e o federalismo, há cenários de compromisso” possíveis para o futuro da União Europeia, e o Governo português até admite um cenário de evolução a várias velocidades, ou de geometria variável.

“Temos estado sempre na linha da frente do aprofundamento do projeto europeu, não tememos por isso várias velocidades ou geometrias variáveis. Gostávamos que os 27 [Estados-membros] pudessem avançar em conjunto, mas admitimos que pode ser preferível avançar só alguns do que ficarmos todos paralisados“, disse.

No entanto, António Costa advertiu logo a seguir que “há uma coisa que é certa: Quando avançarmos, nós estaremos presentes, porque Portugal está em Schengen, está no euro e estará sempre na linha da frente do projeto europeu“. Perante esse cenário de a Europa evoluir a várias velocidades, com uma geometria variável, o primeiro-ministro traçou algumas linhas vermelhas.

“Essa evolução não pode ser acompanhada por desinvestimento em políticas sociais e de coesão, nem poderá significar uma fratura na zona euro ou relegar Estados para posições periféricas”, avisou António Costa.

António Costa também se insurgiu contra correntes que “pretendem uma fuga em frente” no espaço da zona euro, “sem antes se consolidar o euro e aprofundar-se a União Económica e Monetária (UEM).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa admite Europa a várias velocidades mas com Portugal “na linha da frente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião